Luiz da Luz/O Popular
Luiz da Luz/O Popular

Estudante atacado por PM está consciente, mas tem pneumonia

Quadro de saúde de Mateus é estável, porém ainda grave, e ele permanece respirando por aparelhos

Isabela Palhares, O Estado de S. Paulo

04 Maio 2017 | 11h36

SÃO PAULO - O estudante de Ciências Sociais Mateus Ferreira da Silva, de 33 anos, foi diagnosticado na noite de quarta-feira, 3, com pneumonia e permanecerá com ventilação mecânica. O universitário foi atingido pelo cassetete do capitão da Polícia Militar de Goiás Augusto Sampaio de Oliveira no final da manifestação nacional do dia 28, no centro de Goiânia. Desde então está internado em estado grave no Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo), registrando melhora progressiva, mas ainda sem previsão de alta.

De acordo com o hospital, nesta quarta, Silva continua com sedação leve e está consciente. Ainda não há previsão para novos procedimentos cirúrgicos, ele teve diversos traumas em decorrência da agressão. Vários ossos que contornam o nariz foram refeitos, a clavícula ainda está quebrada e parte do osso frontal (testa) foi retirado, exigindo reconstituição cirúrgica das membranas que protegem o cérebro, área que aguarda reconstrução.

O quadro de saúde do jovem é estável, mas grave, por isso, ele continua internado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), onde o paciente está sendo acompanhado diariamente durante 12 horas por dois familiares. 

Afastamento. Na segunda-feira, 1º, a Polícia Militar do Estado de Goiás retirou do serviço de ruas o capitão Oliveira Neto filmado atingindo Silva. O PM permanece em funções administrativas dentro da corporação. 

A decisão pelo afastamento do policial ocorreu após a repercussão da agresão. Além de Silva, pelas redes sociais circulam imagens de quatro PMs batendo em uma jovem caída no chão. O próprio capitão é flagrado empurrando manifestantes.

O afastamento do oficial será por 30 dias enquanto durar um inquérito policial militar (IPM) cuja conclusão vai para o Poder Judiciciário. O capitão  já havia sido denunciado por outras três agressões, uma delas envolvendo menores de 18 anos. Segundo a sua ficha funcional, o policial nunca sofreu uma punição, recebeu diversas condecorações e 34 elogios.

Mais conteúdo sobre:
Goiânia Hugo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.