Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Brasil

Brasil » Estudo de 2013 alertava para risco de barragem em Mariana romper

Brasil

Brasil

Samarco

Estudo de 2013 alertava para risco de barragem em Mariana romper

Lama lançada deixou cerca de 300 famílias desabrigadas; 500 tiveram de ser resgatadas do distrito de Bento Rodrigues

0

Alexandre Hisayasu, Bruno Ribeiro e Leonardo Augusto ,
O Estado de S. Paulo

07 Novembro 2015 | 03h00

O risco de rompimento das barragens do Fundão e Santarém da mineradora Samarco em Mariana (MG) foi alvo de alerta em 2013 pelo Instituto Prístino, instituição particular sem fins lucrativos que realizou um estudo na região a pedido do Ministério Público Estadual (MPE). A promotoria quer saber se foram tomadas medidas preventivas e vai agora pedir o fechamento da mina da Samarco.

Conforme balanço divulgado nesta sexta-feira, 6, a lama lançada dos reservatórios deixou cerca de 300 famílias desabrigadas. Três distritos de Mariana foram atingidos – Camargos, Paracatu de Baixo e Bento Rodrigues –, além da cidade de Barra Longa. Pelo menos 500 pessoas tiveram de ser resgatadas só de Bento Rodrigues, que fica mais perto da mina da Samarco. O prefeito de Mariana, Duarte Eustáquio Gonçalves Júnior (PPS), afirmou que a Defesa Civil tem informações de sete desaparecidos. 

Já os bombeiros trabalhavam nesta sexta na localização de 13 funcionários da Samarco desaparecidos. O coronel Luiz Gualberto confirmou uma morte na tragédia: de um funcionário da Samarco – Cláudio Fiuza, de 40 anos – que ficou ferido no acidente e teve uma parada cardíaca ao ser hospitalizado. Há um corpo achado em Rio Doce, a 100 km de Mariana – sem confirmação de elo com o desastre.

O documento técnico que falava do risco de uma tragédia foi elaborado há dois anos e assinado por técnicos – na maioria professores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Tem oito páginas e identificava pontos de contato entre rejeitos da mineração e a barragem. “Com a evolução da saturação por causa do fluxo natural das águas superficiais resultantes da precipitação atmosférica (chuva), a zona acima do nível de equilíbrio hidrostático ficaria saturada. Tal situação ocasionaria a ressurgência de água nas faces dos taludes da pilha de estéril e a possibilidade de desestabilização da face do talude, resultando em colapso.”

Em outro trecho, há uma descrição parecida com o que de fato teria acontecido. “Dependendo do raio da ruptura no processo, podem ocorrer vários colapsos em diferentes níveis de taludes e criar um fluxo de material com grande massa estéril se deslocando para jusante na direção do corpo da barragem do Fundão e adjacências.” Os especialistas da UFMG fizeram uma série de recomendações, como a apresentação de um plano de contingência em caso de acidentes e um monitoramento por parte do poder público sobre os riscos ao meio ambiente. Nesta sexta, o diretor-presidente da empresa, Ricardo Vescovi, disse que “desconhece esse estudo”. 

Já o promotor Carlos Eduardo Ferreira Pinto, coordenador de Meio Ambiente do Ministério Público de Minas Gerais, afirmou nesta sexta que o relatório foi entregue à empresa e à Secretaria de Estado de Meio Ambiente. O material foi solicitado quando a empresa acionou o Estado para renovar a licença ambiental da barragem. “Vamos ver se a Samarco cumpriu tudo o que foi previsto”, afirma o promotor. Segundo a Secretaria de Meio Ambiente, porém, o material não aponta nada de irregular, trazendo apenas recomendações-padrão de segurança.

Fechamento. O promotor Ferreira Pinto ainda vai pedir na segunda-feira o fechamento da mina da empresa. “Vamos recomendar à Secretaria de Estado (de Meio Ambiente) que suspenda a licença até que se apure a regularidade e garanta a segurança das comunidades.”

Um inquérito civil público já foi aberto pelo MP na quinta-feira, 5, para apurar as causas da tragédia – entre as peças a serem anexadas estará o estudo do Prístino. Segundo o promotor, a investigação se concentrará no possível descumprimento de normas técnicas na manutenção da estrutura. “A barragem estava em processo de alteamento (levantamento para aumentar a capacidade). Isso pode ter influenciado na ruptura”, pontuou. O MPE apura ainda se uma explosão em uma mina da Vale influenciou no desastre.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.