Ex-BBB é condenado por estupro no Paraná

Em Curitiba, Laércio de Moura recebeu sentença de 12 anos de prisão por estupro de vulnerável, por servir bebida alcoólica a jovem de 13 anos e por armazenamento de material audiovisual com cenas pornográficas envolvendo criança ou adolescente

Julio Cesar Lima, Especial para o Estado

12 Setembro 2017 | 19h50

CURITIBA - O designer Laércio de Moura, de 54 anos, ex-participante do programa Big Brother Brasril (BBB), da Rede Globo, foi condenado pela Vara de Infrações Penais contra Crianças, Adolescentes e Idosos, em Curitiba, a 12 anos de prisão por estupro de vulnerável e armazenamento de material  - foto e vídeo - com cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente.

A decisão foi tomada no fim de agosto, mas foi divulgada nesta terça-feira, 12. Moura foi preso em maio do ano passado, acusado de estupro de vulnerável e também por ter servido bebidas alcoólicas a uma jovem de 13 anos. Laércio já era investigado desde fevereiro, logo após a Promotoria de Justiça ter recebido uma denúncia sobre suas ações. O designer estava detido na Casa de Custódia de Curitiba.

Em maio, logo após sua prisão, a delegada adjunta Patrícia Conceição Nobre Paz chegou a dizer, em entrevista à imprensa local, que Moura já era investigado durante sua participação no programa. "No programa, ele já anunciava algumas práticas duvidosas e recebemos diversas denúncias em nível nacional. A investigação começou sigilosa e discreta, mas prosseguiu", afirmou Patrícia.

Durante sua participação no programa, o BBB-16, Laércio chegou a brigar com Ana Paula, outra participante do programa, após dizer que tinha namoradas de 17 e 19 anos. Logo após suas declarações, Ana Paula chegou a chamar seu companheiro de BBB de "pedófilo". Além disso, sua rede social foi vasculhada e descobriu-se que ele também se considerava um supremacista branco. Moura excluiu sua conta na rede.

Moura foi denunciado pelo Ministério Público do Paraná (MPPR) em junho de 2016, por estupro de vulnerável, armazenamento de conteúdo de pornografia infantil e tráfico de drogas. Ele foi condenado pelos dois primeiros crimes, mas foi absolvido do crime de tráfico.

Mais conteúdo sobre:
Crime Curitiba [PR]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.