Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Brasil

Brasil » Ex-oficial da PM é ouvido sobre morte do cabo Gonçalves

Brasil

Ex-oficial da PM é ouvido sobre morte do cabo Gonçalves

Em Maceió, ex-tenente coronel, Manoel Francisco Cavalcante é acusado de chefiar gangue de farda

0

Ricardo Rodrigues, de O Estado de S. Paulo,

14 Dezembro 2009 | 17h37

O ex-tenente coronel da Polícia Militar de Alagoas, Manoel Francisco Cavalcante, deve prestar depoimento nesta terça-feira, 15, à Justiça, no Fórum do Barro Duro. No depoimento, aos juízes da 17ª Vara Criminal da Capital, Cavalcante vai ser questionado sobre o assassinato do ex-cabo PM José Gonçalves da Silva Filho, ocorrido em 1996.

 

Nos final do anos 90, Cavalcante foi acusado de chefiar a gangue fardada, uma quadrilha composta por policiais militares e civis, responsável por vários crimes de pistolagem, assaltos, roubo e desmanche de carros. O ex-coronel nega as acusações, mas está preso desde janeiro de 1998.

 

No depoimento desta segunda-feira, ao juiz Maur cio Breda, da 7ª Vara Criminal, Cavalcante pode confirmar a participação de dois deputados estaduais - João Beltrão (PRTB) e Antônio Albuquerque (PT doB), como mandantes do assassinato do ex-cabo Gonçalves.

 

Os dois parlamentares já foram presos pelo crime, em julho de 2008, durante a Operação Ressurgere (ressurreição, em Latim), da Polícia Civil de Alagoas. A prisão dos parlamentares se deu com base num depoimento sigiloso de Calvancante aos juízes da 17ª Vara Ccriminal. Nesse depoimento, o ex-oficial da PM acusa Beltrão e Albuquerque como mandantes do crime.

 

O ex-cabo Gonçalves, que tinha sido expulso da PM por envolvimento com pistolagem, foi morto próximo a um posto de combustíveis, na Via Expressa, na periferia de Maceió. Ele foi executado com vários tiros de pistola e metralhadora. Antes de morrer, quando esteve preso, Gonçalves acusou Calvancante de realizar vários crimes, a mando do deputado João Beltrão e outros políticos do Estado.

 

Manoel Cavalcante já prestou depoimento em juízo sobre o caso. No ano passado, ele chegou a falar que os mandantes do crime seriam os deputados Antônio Albuquerque e João Beltrão. Segundo Cavalcante, o deputado federal Chico Tenório (PMN) também teria ligação com o assassinato do exc-cabo Gonçalves. De acordo com o líder da gangue fardada o crime foi tramado na fazenda do deputado Antônio Albuquerque, em Limoeiro de Anadia, a 108 quilômetros de Maceió.

 

Transferência

 

Cavalcante foi transferido do Rio de Janeiro para Alagoas na madrugada da última quarta-feira (9/12). Ele cumpria pena no Presídio Bangu Seis, mas entrou com um recurso na Justiça, pedindo a transferência para Alagoas. A Justiça só autorizou a transferência para o presídio de Alagoas, porque Cavalcante redigiu um documento, de próprio punho, responsabilizando-se por sua própria segurança, durante a sua permanência no presídio Baldomero Cavalcanti, na periferia de Maceió.

 

Segundo o juiz da Vara de Execuções Penais, George Omena, Cavalcante está em uma cela comum e não vai ter direito a segurança especial. O magistrado ainda disse que caso o detento ofereça algum risco à sociedade ou aos demais presos poderá voltar ao Presídio de Segurança Máxima de Catanduvas, no Paraná, onde já esteve preso no Regime Disciplinar Diferenciado (RDD).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.