Exames de DNA identificarão maior parte das vítimas

Técnica é a que assegura resultado mais preciso, mas conclusões devem demorar até dois meses

Ana Carolina Moreno, Andressa Zanandrea e Humberto Maia Junior, O Estadao de S.Paulo

07 Julho 2022 | 00h00

O Instituto Médico-Legal (IML) vai recorrer aos exames de DNA para identificar a maior parte das vítimas do acidente com o Airbus da TAM. Mais cara, demorada e precisa, a técnica pode prolongar a espera dos familiares por até dois meses. Para acelerar o processo, o IML pode contar com a ajuda de 16 laboratórios no País. A oferta foi feita pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), que também vai arcar com despesas de pessoal e material de outros Estados enviados à capital. Até a noite de ontem, pelo menos 150 vítimas confirmadas ainda não haviam sido reconhecidas. Perito do Instituto de Criminalística de Curitiba (PR), considerado o mais avançado da América Latina, Hemerson Bertassoni Alves estima que, para cada família do acidente, a identificação custe de R$ 2 mil a R$ 3 mil. Apesar de o processo ser lento, ele explica que são quase remotas as chances de que alguma vítima acabe ficando sem identificação. O Corpo de Bombeiros retirou ontem, até as 20h45, mais sete sacolas dos prédios da TAM Express. Em uma deles foi colocado um corpo; nas outras seis, apenas fragmentos de corpos. No total, já foram retiradas dos escombros 214 sacolas. Os bombeiros preferem contar o número de sacolas porque, em muitos casos, são encontradas apenas partes dos corpos. Isso dificulta a contagem do número de vítimas do acidente, que já é considerado o maior da história aérea do País. "Fica difícil precisar o número de mortos", disse o capitão Mauro Lopes, que comanda as operações de resgate no local. As sacolas retiradas são encaminhadas para o IML e, segundo o capitão, somente no fim dos trabalhos será possível saber o número exato de mortos. O corpo e os fragmentos retirados ontem estavam no prédio do lado esquerdo, mais próximo da Rua Otávio Tarquínio de Sousa. Nos dois outros prédios, as operações de busca terminaram pela manhã. Esses locais já foram periciados e serão demolidos nos próximos dias. Ontem foi realizado ato ecumênico próximo ao local do acidente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.