‘Exortação do papa é uma derrota para os extremistas’

Para o sociólogo Francisco Borba Ribeiro Neto, Francisco não defendeu o rigor doutrinal, mas também não criou uma regra

Edison Veiga e José Maria Tomazela, O Estado de S. Paulo

09 Abril 2016 | 03h00

O papa Francisco pede um comportamento de tolerância e maior compreensão em relação à família moderna, aos gays e divorciados. Em um documento de quase 300 páginas e resultado de três anos de consultas, o pontífice aponta para o entendimento da Igreja em relação à família. Ainda que mantenha a doutrina, seu texto abre as portas da Igreja e pede que párocos pelo mundo adotem uma postura de flexibilidade para não excluir pessoas da religião.

“O texto é uma derrota para os extremistas, tanto os conservadores como os progressistas”, avalia o sociólogo Francisco Borba Ribeiro Neto, coordenador do Núcleo Fé e Cultura da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). “Francisco não defendeu o rigor doutrinal, mas também não criou uma regra.” 

A advogada Zulma Souza Dias, de 69 anos, que vive em segunda união, esperava uma mudança de postura. “Seria muito válido a Igreja dar uma chance para a pessoa ser feliz em outro casamento”, diz. Para o físico Fábio do Prado, de 50 anos, reitor do Centro Universitário da Fundação Educacional Inaciana (FEI), a exclusão da eucaristia deve ser compreendida - e não vista como um obstáculo. “A comunhão espiritual é uma experiência muito intensa”, afirma ele, que durante 20 anos participou assim das missas, já que sua mulher estava em segunda união - quando o primeiro marido dela morreu, eles puderam casar-se na Igreja. 

Gays. Coordenador brasileiro do grupo de católicos homossexuais Courage, o advogado Maurício Abambres, de 46 anos, acredita que o texto de Francisco tem o mérito “de mostrar que a Igreja não é homofóbica”, embora reconheça que o papa “não vai mudar a doutrina”. Integrante da Pastoral da Diversidade, o bancário e jornalista Everton Calício, de 30 anos, diz que “apesar do preconceito dos mais conservadores”, já vem se sentindo mais acolhido. 

“As normas existem, mas não devem ser aplicadas friamente, mas com discernimento”, explica o arcebispo de São Paulo, d. Odilo Scherer. “É o que o papa chama de gradualidade.” Vigário geral do Opus Dei no Brasil, monsenhor Vicente Ancona Lopez entende ainda que Francisco pede “uma maior dedicação, dinamismo e solicitude na pastoral familiar”. 

 

Mais conteúdo sobre:
Igreja Cultura FEI

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.