1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

FAB fecha 692 aeródromos e helipontos no País

- Atualizado: 13 Fevereiro 2016 | 03h 00

Número representa 23,5% das pistas privadas do País

SÃO PAULO - O Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea), vinculado à Força Aérea Brasileira (FAB), vai fechar temporariamente 692 aeródromos e helipontos privados neste sábado, 13, que não submeteram seus planos de proteção à aprovação do órgão. O número representa 23,5% das pistas privadas do País.

Os planos se baseiam no levantamento topográfico do entorno dos aeródromos e visam a comprovar à Aeronáutica que não existem obstáculos, como prédios, árvores e antenas, que possam prejudicar a operação de decolagem e pouso de aviões e helicópteros. A responsabilidade pela confecção do plano é do administrador local e tinha prazo-limite de envio até esta sexta-feira, 12. A partir deste sábado, 13, nenhuma operação será autorizada até que os administradores enviem seus planos ao Decea.

“Desde 2011 (quando os planos passaram a ser obrigatórios), nós estamos trabalhando para que os administradores apresentem seus planos e temos conseguido pouco a pouco convencê-los que isso é importante para a segurança”, afirma o tenente Tiago Luis Oliveira Marques, da Coordenação e Controle de Aeródromos do Decea.

Críticas. O engenheiro aeronáutico Claudio Borges, cuja empresa elabora planos de proteção a pedido de operadores, critica a obrigatoriedade do plano. “O documento é bom para a Aeronáutica porque tira a responsabilidade dela e passa para um terceiro. O proprietário é que tem de provar que o entorno está limpo, passa a ser o seu próprio fiscal e tem de se autodenunciar se surgir um novo obstáculo.”

Segundo Borges, o custo de elaboração de um plano é de R$ 15 mil e R$ 30 mil. O proprietário deve pagar ainda R$ 1.610 para o Decea analisar o plano. O órgão afirmou que cobranças já são feitas em situações semelhantes pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). “Não tínhamos uma norma para valores e agora tem. Para mensurá-los, usamos o critério de homem-hora”, disse o tenente.

O advogado especialista em Direito aeronáutico Geovane Machado Alves diz que os fechamentos prejudicam quem não consegue arcar com os custos. “Os grandes afetados são proprietários rurais. A suspensão inviabiliza a operação agrícola em áreas afastadas e traz péssimos resultados econômicos.”

A Fundação Nacional do Índio (Funai) é proprietária de 97 aeródromos cujas operação estão sendo suspensas. A instituição informou que busca a regularização, mas tem “como um fator complicador a ausência de profissional especializado” no assunto. Até o envio do plano, o atendimento a aldeias em regiões de difícil acesso será feito “por vias alternativas.”

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em BrasilX