1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Família de motorista morta em BH dispensa ida de prefeito a funeral

Alex Capella - Especial para O Estado

04 Julho 2014 | 20h 31

Hanna Cristina e Charlys Frederico Moreira do Nascimento foram sepultados nesta sexta, sob clima de revolta de amigos e familiares

BELO HORIZONTE - Avisada por um porta-voz de que o prefeito Marcio Lacerda(PSB) compareceria ao funeral, a família de Hanna Cristina, de 24 anos, morta após ser atingida por um viaduto em Belo Horizonte, dispensou a presença da autoridade. O enterro ocorreu sob clima de revolta nesta sexta-feira, 4. O desabamento da estrutura matou duas pessoas e deixou outras 22 feridas na tarde de quinta-feira. 

A motorista foi sepultada às 17h30, sob aplausos, no cemitério Bosque da Esperança, próximo ao local do acidente. Amigos e familiares estavam indignados com as autoridades e a construtora Cowan, que, segundo eles, não havia entrado em contato com a família. Hanna trabalhava como motorista há um ano. O ônibus pertencia à família. 

Clayton de Souza/Estadão
Um viaduto que estava em construção na Avenida Pedro I, na região da Pampulha, em Belo Horizonte, desabou na tarde desta quinta-feira, 3

Durante o enterro, os familiares não quiserem falar com a imprensa. A filha de 5 anos da motorista, que estava no ônibus na hora do acidente e sofreu ferimentos leves, não quis ver o corpo da mãe sendo enterrado. 

O motorista do Fiat Uno que ficou preso sob a estrutura, Charlys Frederico Moreira do Nascimento, foi enterrado por volta das 17h40, em Lagoa Santa, na Região Metropolitana de BH, onde morava. 

No enterro de Nascimento, sepultado com a bandeira do grupo de cavalgada do qual participava, familiares estavam indignados com a declaração de Lacerda, de que "acidentes acontecem". Segundo familiares da vítima, um advogado já foi contratado para acionar as autoridades. A Cowan também não entrou em contato com a família de Nascimento.