1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Favelas da Maré dominadas pela milícia não têm reforço policial após ocupação

Marcelo Gomes - O Estado de S. Paulo

01 Abril 2014 | 18h 45

Nos últimos dois dias, o Estado circulou por duas comunidades da milícia e não encontrou nenhum PM do Bope ou do Batalhão de Choque

Enquanto os traficantes do Comando Vermelho e do Terceiro Comando Puro que chefiavam as bocas de fumo no Complexo da Maré, na zona norte do Rio, fugiram antes da ocupação pelas forças de segurança neste domingo, 30, milicianos continuam agindo normalmente nas favelas Praia de Ramos e Parque Roquette Pinto.

Nos últimos dois dias, a reportagem do Estado circulou pelas duas comunidades da milícia e não encontrou nenhum PM do Batalhão de Operações Especiais (Bope) ou do Batalhão de Choque. O cenário é o oposto ao verificado nas favelas até então dominadas pelo tráfico, onde era grande o movimento de policiais.

Fontes das agências de inteligência e moradores da Favela Praia de Ramos (onde fica o Piscinão de Ramos) disseram à reportagem nesta terça-feira, 1º, que a ocupação da Maré pela PM em nada mudou a rotina da milícia que controla a região. A quadrilha teria cerca de 50 integrantes e é formada em sua maioria por policiais civis e militares. Por outro lado, como o Estado noticiou nesta segunda-feira, 31, os principais traficantes do Comando Vermelho estariam no Paraguai, enquanto os do Terceiro Comando Puro teriam fugido para favelas da zona oeste da capital, onde a facção ainda é forte.

Em 2011, vários integrantes do bando chegaram a ser presos na Operação Guilhotina da Polícia Federal. Mas nem a investigação foi capaz de pôr fim à milícia. Nas duas favelas da Maré onde a quadrilha atua, os milicianos explorariam ilegalmente o transporte alternativo, o sinal clandestino de TV por assinatura ("gatonet") e até o estacionamento nas proximidades do Piscinão de Ramos. Eles também teriam o monopólio do fornecimento de botijões e gás nas favelas. E ainda cobrariam um "imposto" pela venda de qualquer imóvel na região e uma taxa básica de cada morador a "título de segurança".

Questionada nesta terça-feira, 1º, pelo Estado, sobre o porquê de não haver PMs do Bope ou do Choque patrulhando as favelas da milícia na Maré, a Polícia Militar não se manifestou. Perguntado sobre a mesma coisa nesta segunda-feira, 31, o tenente-coronel Paulo Henrique de Moraes, chefe do Estado Maior Operacional da PM, explicou: "O patrulhamento é mais reduzido nas áreas de milícia porque não faz parte do modo de atuação desses grupos resistir à ocupação policial. De qualquer forma continuamos à procura de foragidos ligados ao tráfico e à milícia".

O Ministério da Defesa divulgou nota nesta terça-feira, incluindo as favelas Roquette Pinto e Praia de Ramos na área de atuação do Exército na Garantia da Lei e da Ordem (GLO) a partir do próximo sábado, 5, quando os militares substituirão a Polícia Militar na Maré.