Feriadão no DF deixa petistas preocupados

No Distrito Federal o segundo turno ficou espremido entre dois feriados. O Dia do Servidor será comemorado no dia 28, quinta-feira, e a segunda-feira após a eleição será ponto facultativo pelo Dia de Finados, no dia 2, terça-feira. Quem "enforcar" a sexta-feira e a segunda-feira, poderá ter até seis dias de folga. Os mais prejudicados devem ser o candidato do PT ao governo, Agnelo Queiroz, e a presidenciável Dilma Rousseff (PT).

Carol Pires / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

24 Outubro 2010 | 00h00

Agnelo não esconde a preocupação com o impacto que a possível abstenção possa causar no seu desempenho nas urnas. O petista tem insistido na mensagem de que os eleitores devem ficar na cidade para cumprir uma "obrigação cívica". Para ele, existe uma "maquinação" da campanha adversária para estimular a debandada de servidores públicos da cidade.

E o culpado apontado por eles é o governador Rogério Rosso (PMDB) - apoiador da candidatura de Weslian Roriz (PSC). Rosso responde que o calendário de feriados de 2010 estava definido desde dezembro de 2009, quando José Roberto Arruda ainda era o governador.

No primeiro turno, Agnelo e Dilma foram mais votados entre o eleitorado de maior renda e escolaridade - exatamente quem a campanha avalia serem os eleitores com condições de viajar no feriado. Weslian Roriz e seu aliado José Serra (PSDB) seguem o padrão inverso: são mais indicados pelos eleitores de menor renda e escolaridade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.