1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Filho adotivo de Chico Xavier assina acordo para catalogar acervo do pai

Rene Moreira - Especial para O Estado

06 Março 2014 | 19h 07

Bens móveis e imóveis do médium serão preservados conforme decisão assinada no MPF

FRANCA - O Ministério Público Federal de Uberaba, em Minas Gerais, firmou um acordo com o filho adotivo do médium Chico Xavier, Eurípedes Higino, que prevê a proteção do acervo do médium, morto em 2002. Será feito um inventário de seus bens móveis e imóveis, que serão catalogados e passarão por análise.

De acordo com o que foi definido e encaminhado para ser referendado pela Justiça, caberá ao filho de Chico Xavier organizar todo o patrimônio e executar as medidas de preservação. A prefeitura da cidade ficará responsável por acompanhar e fiscalizar o trabalho.

O assunto vinha sendo discutido há mais de dois anos e, até então, não havia nada oficial que obrigasse a preservação da memória do médium. Uma visita técnica feita por especialistas do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram) detectou que os bens não possuíam qualquer tipo de instrumento de registro, controle e segurança. À exceção dos livros psicografados, que apresentavam etiquetas, não havia nenhuma outra identificação dos demais itens expostos.

Com esse acordo, todo o acervo será catalogado, sendo definidos prazos a serem cumpridos. O inventário e um projeto de exposição deverá ser finalizado até o fim de 2015. Higino contou que pretende contratar uma empresa especializada para ajudá-lo nesse trabalho. O custo deve ser coberto por empresas parceiras do projeto em Uberaba, cidade onde morava o médium mais famoso do Brasil.

Que foi. Chico Xavier ficou conhecido pelo trabalho espiritual que realizava e atraía milhares pessoas para a região de Uberaba. Também desenvolvia um trabalho social, ajudando famílias carentes. Francisco Cândido Xavier morreu no dia 30 de junho de 2002, em Uberaba, no Triângulo Mineiro, aos 92 anos.