Filhotes de cisne dão ares de fábula ao Ibirapuera

Aves da espécie australiana estão em época de reprodução; Prefeitura pretende monitorá-las

Marici Capitelli, O Estadao de S.Paulo

09 Outubro 2008 | 00h00

O Parque do Ibirapuera está com novos e ilustres moradores: 30 filhotes de cisnes negros. Além das dezenas de aves que nasceram nos últimos dias, muitos ovos ainda estão sendo chocados. A primavera é a época principal de reprodução dessas espécies. O parque tem aproximadamente 120 cisnes adultos. Fotos dos filhotes de cisne negro que nasceram no Parque do Ibirapuera "Os bebês cisnes são absolutamente lindos", derrete-se a veterinária Vilma Clarice Giraldi, diretora da Divisão de Fauna da Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente. Segundo ela, os filhotes são da espécie australiana. Essas aves costumam ter as pontas das asas um pouco frisadas e os bicos vermelhos, o que as deixam exóticas. "São aves ornamentais de muita beleza. Algumas pessoas dizem que deveríamos privilegiar espécies nativas, mas não entendemos assim. Esses cisnes embelezam o lago", afirma a veterinária. Vilma conta que com a colocação de alimentos para os cisnes nas áreas de manejo do lago outras aves acabam sendo atraídas, como os irerês. Os casais de cisnes formam famílias monogâmicas. Algumas brigas acontecem quando um macho se aproxima de outro grupo familiar. Em média, a fêmea coloca de seis a sete ovos, mas acabam vingando de quatro a cinco. O tempo médio para o nascimento é de 48 a 60 dias. Os veterinários da Prefeitura também já começaram o processo de identificação dos animais. Os pequenos são microchipados, têm os bicos tatuados e recebem anilhas. O processo de identificação serve para acompanhar o crescimento e a saúde das aves e evitar que elas sejam vítimas de furto. Há dois anos, quando não havia monitoramento, vários cisnes e até seus ovos foram levados. Até hoje não se sabe a identidade dos ladrões. Segundo a Divisão de Fauna, ninhadas de corujinha do mato e gavião carijó também podem ser vistas no parque.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.