Marcos de Paula/AE
Marcos de Paula/AE

Forte esquema policial marca início da reconstituição da morte de Juan

Quatro PMs envolvidos na morte do menino, seu irmão e o vendedor participam da reconstituição

Tiago Rogero, estadão.com.br

08 Julho 2011 | 11h06

RIO - Um forte esquema policial foi montado para a reconstituição dos últimos momentos de vida do menino Juan Moraes, de 11 anos, morto durante operação do 20º Batalhão de Polícia Militar de Mesquita, na Favela Danon, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Os peritos estão fazendo a marcação dos locais onde cada vítima e testemunha estava na noite do dia 20 de junho quando, segundo os policiais, teria ocorrido uma troca de tiros com traficantes.

 

Os trabalhos devem se estender até a noite quando de fato terá início a reprodução simulada do que aconteceu. Os acessos ao beco onde Juan foi visto com vida pela última vez estão isolados e somente moradores podem passar pelo bloqueio montado pela polícia.

 

Os quatro policiais militares suspeitos de envolvimento na morte de Juan vão participar da reconstituição assim como os sobreviventes do tiroteio: o irmão do menino, Wesley Moraes, de 14 anos, e o vendedor Wanderson dos Santos Assis, de 19. Os depoimentos serão colhidos separadamente e depois confrontados.

 

O advogado dos quatro PMs chegou, por volta de 12h40, ao local onde acontece a reconstituição do crime. Edson Ferreira disse que os PMS só vão participar à noite, porque, segundo ele, a operação policial que resultou na morte de Juan no dia 20 de junho ocorreu após às 20 horas.

 

Ele afirmou que veio conversar com o delegado responsável pela reprodução simulada. Segundo Ferreira, os quatro não são obrigados a participar, mas vão comparecer contanto que seja à noite. O corregedor interno da PM, coronel Ronaldo Menezes, chegou por volta do meio-dia para acompanhar a reconstituição, que começou às 11h.

 

O diretor do Departamento Geral de Polícia Técnico Científica, Sérgio Henriques, disse que a ausência dos quatro policiais militares não prejudicaria a reconstituição. Ainda de acordo com Henriques, ao todo serão ouvidas 12 pessoas, entre testemunhas e suspeitos.

 

Ele informou que o irmão de Juan, Wesley, de 14 anos, que está incluído no Programa de Proteção Testemunha, apesar de ter sido convocado não compareceu. Henriques afirmou não saber o motivo. Já o vendedor Wanderson da Silva, de 19 , que também está incluído no programa, participa da reconstituição.

 

Atualizada às 14h45 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.