Frio leva fugitivo de presídio a se entregar em Santa Catarina

Foragido não suportou frio em Florianópolis e ligou para que a polícia o levasse de volta à prisão

Júlio Castro, Especial para O Estado

07 Julho 2011 | 18h45

FLORIANÓPOLIS - Um foragido da justiça telefonou de um orelhão para o 190 da polícia e pediu para voltar para a cadeia não suportando o frio que atingiu Florianópolis nesta quarta-feira, 6. Ele permaneceu no local da ligação até a chegada da viatura que o conduziu para a 1ª DP, de onde seguiu para o Centro de Triagem, onde deve cumprir o resto da pena.

 

De acordo com a polícia, o foragido havia sido condenado a cinco anos de prisão por tráfico de drogas. Com 36 anos, o criminoso cumpriu metade da pena em abril deste ano, mas ao receber o benefício da saída temporária da Penitenciária de São Pedro de Alcântara, na Grande Florianópolis, não retornou.

 

"Em 30 anos de polícia eu nunca vi uma coisa dessas. Ele vivia na rua, está há dez anos na cidade e não tem família aqui. Tem feito muito frio aqui de madrugada, não deve ter resistido e pediu para voltar", contou o agente Neri Emerin Filho.

 

Mortes. Fora o inusitado, dois homens morreram na madrugada de quarta-feira, na cidade de Anitápolis, na Grande Florianópolis. A temperatura na cidade chegou a 6ºC negativos. O agricultor Adair Forpkamp, 42 anos, foi encontrado na casa ainda com vida. Ele chegou a ser levado de helicóptero para o hospital Celso Ramos, mas veio a morrer por hipotermia. Ele vivia sozinho na área rural, a nove quilômetros da cidade.

 

Já o idoso José Sávio Batista, 61 anos, foi encontrado sem vida, caído na rua, a dois quilômetros de casa. Ele saiu de uma lanchonete com destino ao bairro rio do Ouro, onde morava e morreu no caminho. As autoridades de saúde informaram que ele não apresentava sinais de embriaguês, sendo hipotermia a principal suspeita da morte.

 

A Defesa Civil de Santa Catarina recomendou os serviços sociais das prefeituras para que recolham das ruas pessoas que estejam expostas ao frio. Os meteorologistas que o ar muito seco causa desconforto térmico e não recomendam atividade ao ar livre para pessoas vulneráveis, com doenças respiratórias, especialmente crianças e idosos.

 

Previsão. Desde o ano de 2000 que Santa Catarina não registrava temperaturas com índices tão baixos. Há cinco dias a temperatura se mantém abaixo de zero em algumas cidades e a tendência é de que se mantenha na sexta-feira devido ao domínio total de uma massa de ar polar.

 

Pela manhã, segundo o meteorologista Ronaldo Coutinho, do site Climaterra, a temperatura ficará extremamente baixa. Mínimas entre -10/-8°C na região de São Joaquim, com máxima de entre 16 e 18°C no Litoral Norte. Na maior parte de Santa Catarina entre -7 a 0°C, entre -2 a 5°C no litoral e baixo vale do rio Itajaí.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.