Frota da FAB está sucateada, diz comandante da Aeronáutica

Em depoimento reservado à Comissão de Relações Exteriores da Câmara, o comandante da Aeronáutica, brigadeiro Juniti Saito, revelou que a frota de aviões da Força Aérea Brasileira (FAB) está sucateada. Segundo o brigadeiro, a FAB tem hoje 719 aeronaves, das quais apenas 267 têm condições de voar. Outras 220 aeronaves estão paradas no parque de manutenção da Aeronáutica e 232 não podem voar por falta de peças. Ou seja: apenas 37,1% dos aviões da Aeronáutica funcionam normalmente. As informações dadas pelo brigadeiro foram repassada pela deputada Luciana Genro (PSol-RS), que assistiu ao depoimento secreto do Comandante da Aeronáutica. No depoimento, Juniti Saito disse ainda que o plano de revitalização de equipamentos da FAB está atrasado. "O brigadeiro explicou que o plano deveria ser concluído este ano, mas que só vai acabar em 2012 porque a alocação de recursos orçamentários para a FAB é insuficiente para a compra de novos equipamentos. De acordo com o comandante, o contingenciamento de recursos não é o maior problema da Aeronáutica", disse Luciana Genro. A segunda etapa de revitalização da FAB, que começa o ano que vem, só vai terminar em 2019. Juniti Saito fez um apelo aos parlamentares para que eles apresentem emendas ao Orçamento de 2008 destinando recursos para a FAB. No depoimento, o brigadeiro afirmou ainda que hoje o Brasil é o terceiro país na América Latina em termos de aviões de caça e de ataque. O primeiro lugar é ocupado pelo Peru. "Mas o brigadeiro contou que a Venezuela está fazendo uma compra grande e que, em breve, ocupará o primeiro lugar. O Brasil ficará então na quarta posição em termos de aviões de caça e ataque", afirmou a deputada. Durante o depoimento, o brigadeiro Juniti Saito aproveitou também para reclamar dos baixos salários das Forças Armadas. Ele disse que a remuneração dos militares "está extremamente defasada" em relação a outras carreiras típicas de estado. Segundo o comandante da Aeronáutica, os chefes das três Forças já apresentaram ao ministro da Defesa, Nelson Jobim, uma proposta de melhoria salarial para a categoria. A expectativa dos militares é que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva conceda o aumento para as Forças Armadas até o fim deste ano.

Eugênia Lopes,

17 Outubro 2007 | 20h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.