Garotinho nega inspiração em "tolerância zero" de Nova York

O secretário de Segurança, Anthony Garotinho, negou hoje que a operação para retirar mendigos e crianças abandonadas das ruas de Copacabana, que terá início nos próximos dias, seja uma espécie de "faxina" inspirada no conceito de "tolerância zero" implementado em Nova York pelo ex-prefeito Rudolph Giulliani. Garotinho disse que o Zona Sul Legal, como seu programa foi batizado, tem o objetivo de dar "tratamento diferenciado" a áreas turísticas, mas vai abranger outras regiões do Estado. "Ninguém gosta de passar na rua e ver criança cheirando cola, pessoas dormindo enroladas em papelão. Noventa por cento desses casos são problemas sociais, mas sempre vem os aproveitadores que se infiltram, provocando desordem urbana", explicou. "Não existe tolerância zero porque não existe criminalidade zero. Até no Jardim do Éden aconteceu um assassinato. O que nós queremos é um projeto que recupere espaço urbano." Segundo Garotinho, a polícia dará apoio a órgãos como a Fundação Leão XIII, que trata do abrigo de mendigos, Fundação para Infância e Adolescência, e Guarda Municipal. "Começamos pela zona sul por causa da sua importância econômica. Quanto maior o turismo, mais emprego para taxistas, garçons", disse. O secretário garantiu que as crianças e mendigos retirados das ruas irão para abrigos e não serão deslocados para o subúrbio. "Pessoas são pessoas e serão tratadas com todo o carinho. Nunca jogaríamos creolina em ninguém", afirmou.

Agencia Estado,

16 Junho 2003 | 19h03

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.