1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Governo admite 'dificuldade' em cumprir meta de saneamento

- Atualizado: 16 Fevereiro 2016 | 21h 07

Objetivo é garantir que 100% do País seja abastecido por água potável até 2023 e 92% dos esgotos estejam tratados até 2033

BRASÍLIA - O secretário nacional de saneamento ambiental, Paulo Ferreira, admitiu nesta terça-feira, 16, que é o Brasil “terá dificuldades” em cumprir a meta de universalização do saneamento básico até 2033. Ele também esquivou-se de aprofundar a relação entre a falta de saneamento básico - segundo diagnóstico mais recente, mais de 42% da população urbana brasileira não é atendida por redes coletoras de esgoto -  com a proliferação de Aedes aegypti, responsável por uma epidemia de zika no País.

“Estamos atrasados”, reconheceu, atribuindo a vagarosidade das ações a dificuldades como falta de recursos, problemas de gestão nos municípios e conflitos relacionados ao licenciamento ambiental. O objetivo do Plano Nacional de Saneamento Básico (Plansab) é garantir que 100% do território nacional seja abastecido por água potável até 2023 e 92% dos esgotos estejam tratados até 2033. “São metas ousadas”, disse o secretário.

Esgoto a céu aberto em favelas do Rio
Silvia Izquierdo/AP
Um perigo diário para a saúde

Crianças brincam no Rio em uma piscina sem sistema de drenagem e limpeza de água

Estudo publicado em janeiro pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) aponta que, com o ritmo atual de investimentos, a população brasileira só estaria completamente atendida com água encanada em 2043 - esgotamento sanitário, só em 2054. O atraso seria em função da baixa média histórica de investimentos no setor, que recebeu R$ 7,6 bilhões por ano entre 2002 e 2012. Para que fossem cumpridos os prazos estabelecidos pelo Plansab, seria preciso, de acordo com a pesquisa, elevar esse valor para R$ 15,2 bilhões anuais.

Dados do Sistema Nacional de Informações Sobre Saneamento (Snis), divulgados pelo Ministério das Cidades nesta quinta, com referência para o ano de 2014, mostram que ampliação da rede de água cresceu, de um ano para outro, apenas 1,5%. Já a expansão da rede de coleta de esgoto foi maior, mas não muito otimista: 3,7% em relação a 2013. “Olhando no horizonte com olhos de hoje, fica realmente difícil de, neste ritmo, atingir a meta”, assumiu o secretário.

Sobre o impacto da falta de saneamento em doenças como a dengue, a chikungunya e a zika, transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti, Ferreira disse que “é um problema mais relacionado à higiene das habitações”, mas reconheceu que “se tiver coleta de esgoto, a possibilidade de contaminação é menor”. No mais, evitou prolongar o assunto: “Sou um mero engenheiro”.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em BrasilX