Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Brasil

Brasil » Governo federal reforça segurança em capitais após derrota do Brasil

Brasil

Brasil

protestos

Governo federal reforça segurança em capitais após derrota do Brasil

Segundo Gilberto Carvalho, estão sendo mapeados pontos de protesto em BH, Rio e São Paulo para aumentar efetivo de policiais

0

Tânia Monteiro,
O Estado de S. Paulo

08 Julho 2014 | 20h35

Atualizada às 21h13

BRASÍLIA - As primeiras manifestações de violência, em decorrência do inconformismo com a derrota da seleção brasileira pelo placar de 7 a 1 preocuparam o governo que decidiu reforçar a segurança em Belo Horizonte, no Rio de Janeiro e em São Paulo. O resultado do jogo acendeu uma luz vermelha no Planalto. 

Antes mesmo do final do jogo, o ministro-chefe da Secretaria-Geral, Gilberto Carvalho, conversou, por telefone, com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, que estava em Belo Horizonte, onde foi realizada a partida do Brasil contra a Alemanha, acompanhando as movimentações em todo o País, no centro de comando e controle de segurança de área. Diante do início dos protestos, a ordem do governo federal foi usar as forças de segurança pública, para reforçar locais de manifestação, com intuito de tentar evitar quebra-quebra nas cidades.

"Há uma preocupação com as reações de tristeza e revolta da população", disse o ministro ao Estado, que pediu "bom senso" aos manifestantes e "cabeça fria", lembrando que "a Copa continua" e que é preciso manter a tranquilidade e a ordem que se viu até hoje, em todas as cidades. "Já temos notícias de que black blocs estão querendo se aproveitar para agir", prosseguiu ele, avisando que o governo está "atento" e não admitirá manifestações violentas. 

As primeiras informações recebidas pelo governo foram de que na Savassi, em Belo Horizonte, houve fortes protestos e prisões. Também chegaram dados de que estavam ocorrendo problemas em São Paulo e no Rio de Janeiro, onde será realizada a final.

Segundo Gilberto Carvalho, o governo vai prosseguir mapeando a situação em todo o País. O ministro advertiu que esta "tragédia futebolística" não pode atrapalhar "o excelente clima de confraternização entre os povos que temos visto em todas as cidades". "Isso precisa continuar porque, uma coisa é o futebol, a nossa seleção e este incidente. Outra é a Copa, que está indo muito bem em termos de organização. Precisamos saber separar as coisas e o melhor é que tiremos lição disso, de forma a melhorar toda a base do futebol no País, como fez a Alemanha, inclusive eliminando a corrupção do futebol", declarou o ministro ao anunciar que estará no jogo sábado, em Brasília, onde o Brasil vai disputar o terceiro lugar, para "dar apoio e prestigiar" a seleção. 

"A hora é de manifestar apoio, de se solidarizar com os jogadores, para ajudarmos a reconstruir o futebol do Brasil, apesar das mãos feridas, criando uma nova cultura para o futebol", completou.

Reforços. Além do reforço natural que já aconteceria para os jogos das disputas do terceiro e quarto lugar, no sábado, em Brasília, e para a decisão do campeão do Mundial, no Rio, no domingo, o governo se viu obrigado a já prever um adicional de segurança, desde agora, por causa da derrota do Brasil pra Alemanha, que gerou muita revolta na população. 

Outra preocupação que já existia também era com a possibilidade de enfrentamento do Brasil e da Argentina, dois grandes rivais nos campos de futebol. Há um temor de que possam ocorrer confrontos entre as torcidas rivais, caso elas possam se enfrentar. 

A definição do nível de reforço da segurança, no entanto, só acontecerá na quinta-feira, em reunião no Rio de Janeiro, com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, a Fifa, e todas as forças de segurança, federais e estaduais. No dia da reunião, os adversários dos dois jogos já serão conhecidos. Embora a ideia inicial seja que o reforço principal de segurança deveria ser para a final, no Rio, a princípio, haverá uma reestruturação do esquema também em Brasília, por temor de protestos violentos. 

Em qualquer circunstância, os homens da Força Nacional de Segurança Pública que estavam nas demais cidades-sede dos jogos, serão deslocados principalmente para o Rio, onde será realizada a final, para ajudar as forças estaduais de segurança pública. Embora já exista um planejamento detalhado em relação à segurança da partida, uma nova "análise de risco" será feita nesta quinta, na reunião de todos os órgãos do governo. Todos os policiais que estavam em Natal e Cuiabá, por exemplo, já estão sendo deslocados para o Rio. As Forças Armadas também permanecerão de prontidão, para serem empregadas, em caso de necessidade.

Na última segunda-feira, a presidente Dilma Rousseff convocou uma reunião, no Palácio da Alvorada, com todos os ministros e dirigentes envolvidos com a segurança e preparação da Copa. Dilma queria saber detalhes da organização das finais e as providências que estavam sendo tomadas em cada setor. A presidente pediu ainda que os cinco ministros presentes acompanhassem a sua participação no bate papo virtual com internautas no Facebook, cujo tema era Copa do Mundo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.