Governos querem investir em prédios próprios

Para reduzir o gasto com aluguéis, os Executivos estaduais pretendem transferir seus órgãos para edifícios próprios. O governo de São Paulo tem adotado medidas para levar órgãos do Executivo para o centro da capital, um desejo manifestado pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB) assim que assumiu o Palácio dos Bandeirantes. Está em estudo a venda de edifícios como o da Secretaria do Planejamento, em área nobre de São Paulo, e sua realocação na região da Rua Boavista, onde já está o gabinete de despachos de Alckmin.

, O Estado de S.Paulo

13 Março 2011 | 00h00

O governo gaúcho tem o mesmo intuito. Antes, porém, precisa concluir o levantamento de dados sobre os imóveis do Estado.

A atual secretária de Administração do Rio Grande do Sul, Stela Farias (PT), acredita que o número de imóveis possa chegar a 18 mil, entre vagas em garagens, terrenos, edifícios e salas, inclusive algumas em outros Estados.

O governo mineiro, por sua vez, baseia sua expectativa de economia em R$ 80 milhões até o fim do ano com a transferência da administração direta do Estado para a Cidade Administrativa - o monumental complexo de edifícios com a assinatura de Oscar Niemeyer, inaugurado em março do ano passado.

A obra foi contratada por R$ 949 milhões pela Companhia de Desenvolvimento de Minas. Seu custo final, porém, incluindo reajustes e intervenções complementares, já havia ultrapassado R$ 1,2 bilhão em recursos públicos quando da inauguração.

No Paraná, o secretário de Administração, Luiz Eduardo Sebastiani, acentuou ser "absolutamente necessário" organizar a gestão do uso dos imóveis públicos. "Estamos fazendo um levantamento de forma mais contundente sobre as condições dos imóveis de propriedade do Estado e que podem estar vazios ou mal ocupados", afirmou.

O governo baiano ainda realiza levantamento, mas alega que já conseguiu reduzir despesas com aluguéis em relação a anos anteriores. No Tocantins, o governador Siqueira Campos (PSDB) quer construir um novo centro administrativo.

Segundo a assessoria de imprensa do governo de Mato Grosso, a Secretaria de Meio Ambiente tem planos de construção de prédios próprios para economizar com aluguéis. O governo piauiense também prometeu redução de gastos - assim que concluir seu levantamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.