Polícia Militar de Goiás/ Divulgação
Polícia Militar de Goiás/ Divulgação

GPS confirma que avião com mais de 600 kg de cocaína decolou da Bolívia

PF descartou a possibilidade de o bimotor ter saído da fazenda do ministro da Agricultura, Blairo Maggi

Marília Assunção, especial para o Estado

28 Junho 2017 | 11h14

GOIÂNIA - Dados do GPS do avião interceptado pela Força Aérea Brasileira no espaço aéreo de Goiás, carregado com 653 kg de cocaína, confirmam que ele voava com plano de voo falso e que, na verdade, tinha decolado com a carga na Bolívia. 

A prova técnica confirma o depoimento do piloto Apoena Índio do Brasil Siqueira Rocha e do copiloto Fabiano Júnior da Silva, presos em Jussara, no interior goiano, na noite de segunda-feira, 26, e trazidos para a sede da Polícia Federal, em Goiânia, onde as investigações se concentram.

O GPS revelou que o bimotor prefixo PT IIJ com a droga tinha partido de Cuiabá às 4 horas de domingo, chegando à Bolívia às 6h40. Após ser carregado com os sacos de cocaína, decolou com destino a Jussara às 7h40. 

Com a trajetória revelada pelo GPS, a PF descartou a possibilidade de o bimotor com vários fardos de cocaína ter decolado da Fazenda Itamarati do Norte, um imóvel arrendado pelo Grupo Amaggi, e pertencente ao ministro da Agricultura Blairo Maggi, em Mato Grosso. 

No plano de voo falso também aparecia que o bimotor tinha o destino uma pista em Santo Antônio do Laverger, em Mato Grosso, mas, em depoimento, o piloto confessou que a droga seria entregue em Jussara. O município é considerado rota de tráfico, mas nunca houve grandes apreensões na região.

Duvidando que o destino final da carga seja mesmo Jussara, o foco da polícia agora é identificar as siglas encontradas nos fardos, onde constam "SP", "CR7" e "NETO", e assim localizar o real destino e os donos da cocaína. 

O volume apreendido foi o maior registrado em 2017 pela Polícia Militar de Goiás, que atuou com helicópteros após a queda da aeronave, apreendendo a carga que foi entregue na PF.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.