1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Greve de ônibus do Rio tem baixa adesão

Clarissa Thomé e Thaise Constancio - O Estado de S.Paulo

28 Maio 2014 | 08h 02

Segundo o sindicato patronal, 10% da frota não circulou; os líderes grevistas estimam que a adesão chegou a 60%. Até o início da noite desta quarta, 15 ônibus foram depredados

Atualizada às 20h08

RIO - A paralisação de 24 horas promovida nesta quarta-feira, 28, no Rio por motoristas e cobradores de ônibus dissidentes do sindicato teve pouca adesão e não gerou grande transtorno à população. Segundo o sindicato patronal, 10%da frota não circulou. Os líderes grevistas estimam que a adesão chegou a 60%. Até o início da noite desta quarta, 15 ônibus foram depredados, dizem os patrões.

A adesão à paralisação desta quarta foi menor do que às greves anteriores(em 8, 13 e 14 de maio) por conta de ameaças de demissão e até de agressão, além da contratação de motoristas substitutos, segundo a cobradora Maura Gonçalves, uma das líderes da greve. Ela afirmou que as empresas de ônibus ofereceram até R$ 200 para que outros funcionários, como mecânicos, assumissem o posto dos motoristas grevistas. "Os motoristas foram ameaçados: nas garagens disseram que quem não trabalhasse seria demitido por justa causa."

Segundo Maura, o sindicato patronal não apresentou contraproposta às reivindicações dos grevistas, que pedem reajuste salarial de 40% e cesta básica de R$ 400, entre outras melhorias. O sindicato da categoria aceitou proposta de 10% de reajuste e cesta básica de R$ 140, mas os dissidentes não concordam.

Nesta quinta, os dissidentes farão nova assembleia para decidir se farão nova paralisação na próxima semana. O sindicato patronal vai pedir ao Tribunal Regional do Trabalho que considere o movimento abusivo "já que mais uma vez não foram respeitados os princípios e requisitos da lei de greve, como o aviso de paralisação com 72 horas de antecedência".

Segundo os dissidentes, a zona oeste foi a área da cidade mais prejudicada nesta quarta, mas a reportagem do Estado esteve na região e constatou que o serviço estava praticamente normalizado. Durante todo o dia, policiais militares permaneceram nas portas das garagens para evitar atos de vandalismo.

A greve também afetou o Metrô na Superfície, serviço de ônibus que liga as estações de Botafogo e General Osório (Ipanema) à Gávea, porque os motoristas não trabalharam. Passageiros reclamaram que tiveram que pagar duas passagens, a do bilhete do metrô e do ônibus convencional.