‘Heróis da resistência’ são ameaçados de morte no Estado

É o caso de Valdênia Aparecida Paulino, paulistana que hoje é ouvidora das polícias na Paraíba

Bruno Paes Manso ENVIADO ESPECIAL / JOÃO PESSOA,

06 Julho 2013 | 22h07

A resistência ao crescimento dos assassinatos na Paraíba é feita por heróis, homens e mulheres, que acabam ameaçados de morte. É o caso do deputado federal padre Luiz Couto (PT-PB), espécie de Marcelo Freixo paraibano. E também de Valdênia Aparecida Paulino, que atualmente é ouvidora das polícias na Paraíba, cargo onde recebe e encaminha denúncias de desvios de policiais. Nos presídios, as tentativas de reformas estão sendo feitas por um ex-detento, Antonio Galdino Silva Neto, que ficou preso nos anos 1990, tornou-se uma importante liderança de direitos humanos e ganhou a confiança do governador para tocar o cargo.

 

Valdênia é paulistana, criada em Sapopemba, zona leste, onde militou em defesa dos direitos humanos. Precisou deixar a capital depois de seguidas ameaças de policiais militares.

 

As primeiras ocorreram em 2004, depois que ela denunciou abusos que PMs cometiam contra meninas do bairro. Nesse período, Valdênia passou a ser escoltada pela Polícia Federal. Em 2008, novas ameaças a forçaram a se exilar em busca de proteção. Casou e decidiu morar na Paraíba em 2009. Foi para Santa Rita, cidade que ela imaginava pacata. “Mas percebemos que alguns jovens estavam desaparecendo. As mães denunciavam a atuação de grupos de extermínio. Não dava para ficar de braços cruzados”, diz.

 

Outra frente de combate é o sistema penitenciário. No ano passado, o Estado tinha 9 mil presos, com 5 mil vagas. Ex-integrante de grupo de extermínio da PM nos anos 1980 e ex-prisioneiro nos 1990, Silva Neto foi mandado para o presídio do Sapé em 2011 para tentar lidar com a situação. São 162 presos para 65 vagas. Com cerca de R$ 20 mil adquiridos com a venda de discos com os testemunhos de sua conversão, reformou parte do presídio. Passou a receber os detentos, escutá-los, respeitar direitos e cobrar condutas. Na lábia, conseguiu extinguir a rivalidade entre O Kaida e Estados Unido no presídio. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.