1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Ibama rejeita plano de ações da Samarco

- Atualizado: 28 Janeiro 2016 | 22h 51

Órgão considerou que documento é 'genérico' e 'minimiza todos os impactos ambientais da ruptura da barragem' em Mariana

BRASÍLIA - O Ibama rejeitou, nesta quinta-feira, 28, o plano de ações emergenciais apresentado pela mineradora Samarco no dia 18 de janeiro, por considerá-lo "genérico" e por "minimizar todos os impactos ambientais da ruptura da barragem". A empresa deverá entregar uma nova versão até o dia 17 de fevereiro.

Na semana passada, a presidente do Ibama, Marilene Ramos, já havia criticado o documento, afirmando que era "pouco propositivo" e que estava "aquém" do ideal. A Samarco, cujas sócias são a Vale e a BHP Billiton, é a responsável pela barragem de Fundão, que rompeu no dia 5 de novembro, causando um "tsunami" de lama que devastou distritos de Mariana (MG) e provocou sérios danos ambientais ao Rio Doce.

De acordo com a nota técnica do Ibama, as ações têm pouco embasamento metodológico e científico. Além disso, a empresa não estimou prazos para cumpri-las, o que impossibilitaria o acompanhamento das metas.

"O diagnóstico dos danos é extremamente superficial", afirma a nota do Ibama. O órgão critica, por exemplo, o fato de a Samarco não citar quais espécies de fauna e flora foram afetadas, quais estão em risco de extinção e quantas têm distribuição restrita nos locais atingidos pela lama. "Em relação aos impactos sobre os organismos aquáticos, verifica-se a tendência a subestimar o problema, inclusive se omitindo completamente em relação ao volume e a diversidade de peixes encontrados mortos ao longo da bacia do Rio Doce".

A Samarco afirmou que os pontos de aprimoramento sugeridos vão ser incorporados ao documento.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em BrasilX