JF DIORIO/AE
JF DIORIO/AE

Igreja antecipa ida de Dilma a Aparecida

Candidata pretendia ir hoje, mas foi aconselhada pelos padres a chegar um dia antes para evitar tumulto em encontro com Serra

José Maria Mayrink, O Estado de S.Paulo

12 Outubro 2010 | 00h00

A candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, visitou ontem o Santuário de Aparecida, onde assistiu à missa das 9 horas, deu duas entrevistas e rezou aos pés da imagem negra da padroeira do Brasil, santa de sua devoção, conforme declarou à imprensa ao explicar o objetivo de sua peregrinação.

Dilma, que chegou à cidade de helicóptero numa manhã fria coberta de neblina, entrou na basílica nacional 15 minutos antes do início da cerimônia. Sentou-se na primeira fileira de cadeiras reservadas às autoridades, ao lado de prefeitos e deputados da região do Vale do Paraíba.

"Vamos para a casa da Mãe, vamos celebrar a vida, vamos para a casa da Mãe, Senhora Aparecida", cantavam os devotos com o coral, enquanto o celebrante, padre Rogério Gomes, se aproximava em procissão, conduzindo uma réplica da padroeira. A imagem original, que três pescadores içaram das águas barrentas do rio, em 12 de outubro de 1717, não sai de seu trono de vidro blindado, numa rampa da ala sul do templo.

Acompanhada por dois companheiros de viagem bem familiarizados com a liturgia, o chefe de gabinete da Presidência da República, Gilberto Carvalho, e o deputado eleito Gabriel Chalita (PSB-SP), a candidata petista seguiu o ritual sem tropeços. Com o folheto da missa nas mãos, ela recitou as orações, acompanhou os cânticos e ajoelhou-se nas horas certas.

Comunhão. Quem estranhou que a candidata do PT não tenha recebido a comunhão, como se a eucaristia fosse obrigatória para todos os fiéis, não deve ter reparado que a maioria dos 14 mil devotos presentes nas quatro naves da basílica também não comungou. "Ela fez bem, pois seria uma hipocrisia comungar apenas para se mostrar", comentou o padre César Moreira, diretor de jornalismo da Rádio e TV Aparecida.

Quando o reitor do santuário, padre Darci Nicioli, anunciou a presença de Dilma Rousseff no templo, explicando que a candidata estava fazendo uma pausa na campanha eleitoral para rezar, "porque rezar é importante", não houve nenhuma reação dos fiéis. O Santuário de Aparecida recebe frequentes visitas de políticos, com uma média de três helicópteros por semana, segundo o reitor.

Serra. Hoje será a vez do candidato José Serra (PSDB) visitar a basílica, que assistirá à missa solene das 10 horas, a mais concorrida de 12 de outubro, festa da padroeira. Serra será acompanhado pelo governador eleito, Geraldo Alckmin, católico fervoroso e natural da vizinha Pindamonhangaba, que visita sempre Aparecida. O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, também está sendo esperado.

Antecipação. Dilma Rousseff pretendia vir a Aparecida hoje, mas foi aconselhada pelos padres redentoristas, guardiães do Santuário, a antecipar a viagem. "Seria complicada a presença simultânea dos dois presidenciáveis na igreja", justificou padre César, imaginando a confusão que se criaria, se eleitores de Dilma e de Serra resolvessem aclamá-los durante a cerimônia.

Mesmo assim, não foi fácil armar o esquema para recepção condigna, mas imparcial, dos dois candidatos.

A assessoria de Dilma queria, por exemplo, que ela desse entrevista coletiva junto do altar da basílica, constantemente cheia de romeiros na véspera da festa. Os padres vetaram a ideia da campanha petista e exigiram que a presidenciável falasse aos jornalistas no auditório do subsolo da basílica.

Os textos da missa - uma leitura do Livro de Judith e um trecho dos Evangelhos - exaltavam a coragem da mulher, numa referência à Virgem Maria. Os vizinhos de cadeira da presidenciável petista olharam para ela, como se a citação lhe caísse bem, quando o celebrante disse que "Judith colocou a palavra de Deus em prática para libertar o seu povo".

Depois da missa, Dilma deu uma entrevista exclusiva à TV Aparecida e em seguida uma coletiva à imprensa. Ao descer a rampa do nicho onde foi rezar aos pés da imagem da padroeira, um grupo de romeiros a recebeu na saída da basílica com palmas, cantando a musiquinha de sua campanha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.