1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Incêndio no Memorial destrói 90% do Auditório Simón Bolívar 

Bruno Ribeiro - O Estado de S. Paulo

30 Novembro 2013 | 14h 25

Plantas originais de Oscar Niemeyer podem ter sido queimadas; 25 bombeiros se feriram no combate às chamas, na sexta

O Corpo de Bombeiros estima que 90% do interior do Auditório Simón Bolívar, no Memorial da América Latina, foi destruído no incêndio ocorrido na tarde de sexta-feira, 29. A corporação só terminou o trabalho de rescaldo no fim da manhã deste sábado. A Fundação Memorial afirma que as chances de a tapeçaria de Tomie Ohtake que enfeitavam a lateral do auditório ter escapado é muito pequena.

O incêndio quebrou vidraças, derreteu metais e provocou rachaduras nas paredes. O balanço final dos bombeiros foi de 25 feridos - todos bombeiros que trabalhavam no combate às chamas. Destes, cinco permaneciam internados no Hospital das Clínicas na tarde deste sábado - quatro estavam na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

"Queimou tudo. Só ficou um vazio lá dentro. As cadeiras, o palco, o revestimento das paredes, não sobrou nada", disse o 1.º tenente dos Bombeiros Mauro Brancalhão, um dos agentes que entrou no prédio para combater as chamas.

Até as 14h de ontem, agentes da Defesa Civil e da Polícia Científica estavam no interior do Simón Bolívar para avaliar as condições de segurança da estrutura e começar os trabalhos de perícia para descobrir as causas do acidente. Só depois da saída deles, os funcionários do Memorial vão entrar no prédio e fazer um inventário do material perdido nas chamas.

Um homem que se identificou como funcionário do Memorial, Francisco de Assis Gomes, de 67 anos, afirmou que plantas originais de Oscar Niemeyer, autor do projeto do Memorial, estavam em uma sala no interior do auditório.

"A parte abaixo do palco, com algumas salas e corredores, foi preservada das chamas", disse o major dos Bombeiros Wagner Lechner.

O diretor-presidente da Fundação Memorial da América Latina, João Batista de Andrade, afirmou que ainda não há certeza sobre todos os documentos e materiais que estavam no prédio. "Vocês imaginam como é um teatro. Depois de um ano de funcionamento, sobram alguns materiais. Depois de dois, tem mais um pouco. O Memorial tem 25 anos", contou. "O importante é que, há dois meses, fizemos uma grande limpeza no interior do prédio e retiramos uma série de materiais", disse.

Restauração. O secretário de Estado da Cultura, Marcelo Mattos Araújo, informou que, independentemente do grau da destruição, o Auditório Simón Bolívar será restaurado. "Vamos garantir o mais pronto restauro do auditório." Não havia ainda, entretanto, uma estimativa do prejuízo causado pelo acidente. "A tapeçaria da Tomie Ohtake pode ser feita com facilidade. Ela tem o projeto original", afirmou Andrade.

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo