Incerteza eleitoral leva setor à inércia

Há dúvidas sobre investimentos e falta plano de central de distribuição

Renato Machado, O Estadao de S.Paulo

28 Agosto 2008 | 00h00

Especialistas em trânsito esperavam que, com a vigências das restrições a caminhões, tivesse início uma mudança na estrutura logística de transporte em São Paulo, principalmente com o investimento em veículos menores e a construção de centrais de distribuição. Quase dois meses depois, nada foi feito e nem mesmo há planos. Parte dessa inércia é motivada pela incerteza a respeito do futuro das restrições. Os empresários relutam em investir nos Veículos Urbanos de Carga (VUCs), caminhões pequenos que atualmente obedecem a um sistema de rodízio de placas pares e ímpares para circular na Zona de Máxima Restrição de Circulação (ZMRC). De acordo com o Decreto 49.636/08 , a partir de 1º de novembro, os VUCs passarão a obedecer às mesmas regras dos demais caminhões e só poderão circular na ZMRC das 21 às 5 horas. Mas o próprio prefeito Gilberto Kassab (DEM) e o secretário municipal dos Transportes, Alexandre de Moraes, informaram que essa medida pode não entrar em vigor, criando mais incertezas. "Fazer um investimento pesado em VUC é muito arriscado, porque a gente não sabe o que vai acontecer", diz o empresário Roberto Granero, presidente do grupo Granero. Suas empresas estão terceirizando alguns serviços de entrega, contratando caminhonetes e VUCs de companhias menores. As eleições municipais deste ano são outro foco de incerteza. "Não sabemos quem será o prefeito. Por isso não dá para prever se as restrições vão continuar, se serão abrandadas ou totalmente retiradas", diz o presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Carga de São Paulo (Cetcesp), Francisco Pelúcio. Outro ponto que não evoluiu foi a construção de centrais de distribuição nas entradas da cidade. Segundo o professor da USP Jaime Waisman, as centrais são fundamentais para reorganizar a logística de cargas, uma vez que caminhões maiores descarregariam ali e os produtos seriam entregues por veículos menores. "A responsabilidade pela construção é da iniciativa privada, mas o poder público tem de indicar onde eles devem ser construídos." A Secretaria dos Transportes não respondeu se tem projeto de construção de centrais de abastecimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.