Infraero não prevê melhora na situação dos aeroportos

Empresa aponta que 92 vôos tem atrasos e outros 84 estão cancelados

Agencia Estado

03 Julho 2007 | 15h29

Mesmo depois de os aeroportos de Cumbica e Porto Alegre reabrirem na manhã desta terça-feira, após serem fechados por conta do mau tempo, os atrasos superiores a uma hora continuavam atrapalhando os passageiros. De acordo com a assessoria do presidente da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), brigadeiro José Carlos Pereira, não há previsão para a situação voltar ao normal nos aeroportos. Segundo informações da Infraero, até as 10 horas, dos 622 vôos programados para os aeroportos do País, 92 vôos atrasaram, o equivalente a 14,7%, e outros 84 foram cancelados. Além disso, havia vôos internacionais fora do horário. No Aeroporto Internacional de São Paulo (Cumbica), em Guarulhos, que ficou fechado das 22h30 de segunda às 5h05 desta terça, havia 100 vôos fora do horário programado, entre chegadas e partidas. Os passageiros continuavam formando imensas filas no saguão para o check-in e na entrada da sala de embarque, local onde a imprensa não tem acesso. O Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, reabriu para decolagens às 9h30 desta terça. Os pousos, no entanto, continuavam suspensos. Por causa de uma forte neblina, o terminal foi fechado para aterrissagens, às 5h55, e totalmente, às 7h55. De acordo com a Infraero, dos 26 vôos programados até às 10 horas no Salgado Filho, três tinham atrasos superiores a uma hora e seis foram cancelados. Mau tempo Para a Infraero, o problema nos aeroportos é reflexo do fechamento de Cumbica e do Aeroporto Salgado Filho em decorrência do mau tempo. A neblina que provocou o fechamento de Cumbica deixou a visibilidade nula durante boa parte da noite de segunda e a madrugada desta terça. De acordo com a meteorologista Josélia Pegorin, da empresa Climatempo, das 23 horas de segunda às 4 horas desta terça, foi registrada visibilidade zero em Guarulhos. A queda brusca na temperatura e a ausência de nuvens contribuíram para a formação do nevoeiro. Além disso, a zona onde está situado o Aeroporto de Cumbica, entre a Serra do Mar e a Serra da Mantiqueira, favorece para as formações de neblina. Por volta das 3 horas, a visibilidade na região subiu de zero para 100 metros, mas, às 4 horas, voltou a ser nula. Às 5 horas, chegou aos 200 metros, teve uma melhora maior às 6 horas, porém, às 7h20, caiu para 700 metros e piorou, às 7h35, baixando para 300 metros. Às 9 horas, a visibilidade era de somente 300 metros. O início desta terça-feira na área também foi frio, com os termômetros apontando 7 graus. A madrugada de quarta-feira, 4, também deverá ser marcada pela neblina em Guarulhos, porém, com menor intensidade, conforme a meteorologista. Texto alterado às 11 horas para acréscimo de informações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.