Infraero prevê mais problemas nos aeroportos durante as férias

Ministro da Defesa voltou a acusar a Anac sobre atrasos registrados em Congonhas no domingo

Tânia Monteiro, do Estadão,

23 Outubro 2007 | 12h49

Os passageiros devem enfrentar mais problemas nos aeroportos do País até o fim do ano, segundo previsão do presidente da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), Sérgio Gaudenzi. Enquanto isso, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, atribuiu os problemas enfrentados no domingo no Aeroporto de Congonhas, às chuvas que caíram na cidade. Apesar disso, Jobim não poupou a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), e a acusou de "leniência".   Atrasos dobram reclamações no Juizado Especial de Congonhas Governo adia mudanças para solucionar a crise aérea no País CPI pede indiciamento de 23 servidores da Infraero e da Anac Dilma quer privatizar aeroportos Zuanazzi diz que fica e Jobim evita polêmica Especial sobre a crise aérea    O presidente da Infraero afirmou que a estatal vai divulgar aos passageiros os possíveis problemas nos aeroportos o País. O objetivo, explicou, será alertar os passageiros sobre a possibilidade de atrasos em seus vôos. A declaração foi feita após a cerimônia do Dia do Aviador, na base Aérea de Brasília.   De acordo com o presidente da estatal, nos próximos feriados prolongados e nas férias "quando os aeroportos ficam cheios", os passageiros poderão enfrentar mais transtornos. Gaudenzi, entretanto, ressaltou que esses problemas não são exclusivos do Brasil, "mas de todo o mundo".   Em relação aos problemas enfrentados em Congonhas no último domingo, Gaudenzi afirmou que, além do mal tempo, houve um fluxo maior de passageiros em São Paulo por causa do Grande Prêmio de Fórmula 1. Gaudenzi admitiu que houve falta de comunicação para orientar melhor os passageiros. Segundo ele, a situação nos aeroportos já melhorou e nesta terça, de acordo com suas informações, os índices de atraso registrados são normais.   Mudanças na Anac   Em relação às mudanças na Anac, Nelson Jobim afirmou que aguarda a recomposição da diretoria da agência para que o órgão volte a funcionar de acordo com sua expectativa. Sobre a saída de Milton Zuanazzi, presidente da agência, Jobim voltou a afirmar: "cada coisa a seu tempo".   O ministro declarou que espera que na quarta-feira, 24, a Comissão de Infra-estrutura do Senado aprove as indicações de mais dois diretores para a Anac. Na quarta-feira, Marcelo Pacheco dos Guaranys e Alexandre Gomes de Barros devem ser sabatinados pelos senadores.    

Mais conteúdo sobre:
crise aérea Anac Infraero aeroportos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.