Integrantes de grupo de axé abusaram de menores na Bahia, aponta laudo

Músicos negaram as agressões, mas dois deles confirmaram ter feito sexo com consentimento das jovens

Gheisa Lessa,

03 Setembro 2012 | 14h49

SÃO PAULO - O laudo da perícia técnica da Polícia Civil confirma o relato das duas adolescentes de 16 anos que dizem terem sido abusadas sexualmente pelos integrantes de uma banda de axé, a New Hit. O ato aconteceu após a apresentação do grupo em uma micareta, no sábado 25 de agosto, na cidade Ruy Barbosa, a 321 quilômetros de Salvador.

O laudo foi concluído na última sexta-feira, 31, mas somente pôde ser divulgado nesta segunda, 3. O delegado da delegacia de Ruy Barbosa, Marcelo Cavalcanti ainda pretende ouvir mais testemunhas ao longo desta semana e espera o resultado de outro exame, desta vez, que analisa as roupas que as jovens usaram no dia da ocorrência.

"Por conta da natureza deste crime brutal eu não entrarei em detalhes, mas o laudo confirma o depoimento, prestado nesta delegacia, pelas vítimas", afirma Cavalcanti.

Os nove integrantes da banda New Hit tiveram a prisão temporária decretada logo após as denúncias e o início das investigações. Os músicos estão no Presídio de Feira de Santana, a 107 quilômetros de Salvador. Um policial militar é acusado de ter colaborado com o crime e aguarda o término das investigações também detido no Batalhão de Choque de Salvador. Todos eles já foram ouvidos em depoimento.

Cavalcanti explica que, com o laudo concluído, a prisão preventiva dos acusados deve ser decretada em breve.

Segundo as adolescentes, elas estavam em cima do trio elétrico animado pela banda quando pediram para tirar fotografias com os integrantes. Teriam sido orientadas a entrar no ônibus, onde dizem ter sido agredidas e abusadas sexualmente. Elas registraram ocorrência na delegacia pouco depois do evento e ficaram sob os cuidados do Conselho Tutelar de Feira de Santana.

Os músicos negaram as agressões. Em depoimento, dois deles confirmaram ter feito sexo com as jovens, mas com o consentimento delas. Os outros - e o PM, que estava no local a convite da banda - contaram não ter tido nenhum tipo de relação com as adolescentes.

Mais conteúdo sobre:
abuso sexual

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.