Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Brasil » Isolado por via terrestre, Acre tem estoque de alimentos para 20 dias

Brasil

Josenir Melo

Brasil

Acre

Isolado por via terrestre, Acre tem estoque de alimentos para 20 dias

De acordo com o diretor da Associação dos Distribuidores de Alimentos, orientação é manter o consumo normal, sem estocar comida

0

Itaan Arruda,
Especial para O Estado

21 Fevereiro 2014 | 18h47

RIO BRANCO - O diretor institucional da Associação dos Distribuidores de Alimentos do Acre, Luiz Deliberatto, informou que, isolado, o Acre tem estoque de alimentos para os próximos 15 ou 20 dias. "O que é preocupante é que, diante do excesso de chuvas, não estamos vislumbrando alternativas no curto prazo", disse Deliberatto. "A orientação é evitar o abastecimento e manter o consumo normal, sem estocar comida."

"Por enquanto, nós ainda não estamos sentindo os efeitos de desabastecimento porque a interrupção total do trânsito de caminhões ocorreu somente ontem (quinta)", afirmou um dos donos da maior rede de supermercados do estado, Ádem Araújo.

O Acre está temporariamente isolado do País por via terrestre desde quinta-feira, 20, pela manhã, quando a PRF e o Dnit decidiram interromper o tráfego de veículos, até mesmo inclusive carretas, pela BR-364, única ligação do Estado por terra com as demais regiões.

O excesso de chuva na região de Rondônia é a causa isolamento do Acre. O Rio Madeira invadiu a BR-364 em vários pontos. Na estrada, o nível da água alcança até 50 centímetros. Associado à correnteza, isso coloca em risco o trânsito de veículos.

A greve dos servidores da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) agrava a situação. Os caminhões que conseguiram transpor as águas não tiveram as mercadorias liberadas pela autarquia. Os servidores estão parados por tempo indeterminado e só voltam ao trabalho após o Governo Federal assinar portaria que atenda às reivindicações pleiteadas há mais de seis anos.

"Isso é ruim para o comércio e estou preocupado", afirmou o presidente da Associação Comercial do Acre, Jurilande Aragão. "E o pior é que não há muito o que fazer no momento."

"Nossos clientes estão prejudicados, mas, até o momento, estão compreendendo a situação", disse a presidente do Sindicato das Empresas Transportadoras do Acre, Nazaré Cunha. Ainda não se tem cálculos precisos dos prejuízos causados ao comércio com a interrupção temporária do trânsito pela BR-364 em função da cheia do Rio Madeira. O Acre já conhece a rotina de um estado isolado. Até o fim dos anos 1970, a BR-364 no trecho entre Porto Velho e Rio Branco só era aberta poucos meses por ano.

Mais conteúdo sobre: