Jaqueline tenta arquivar caso na Câmara

O advogado da deputada Jaqueline Roriz (PMN-DF), José Eduardo Alckmin, pediu ontem o arquivamento sumário da investigação preliminar contra a parlamentar na Corregedoria da Câmara dos Deputados.

Eduardo Bresciani, O Estado de S.Paulo

29 Março 2011 | 00h00

O assunto será discutido hoje com o presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo (PDT-BA), e com o relator do caso, Carlos Sampaio (PSDB-SP). Jaqueline foi flagrada em gravação de vídeo datada de 2006 recebendo um pacote de dinheiro do delator do "mensalão do DEM", Durval Barbosa.

Na peça entregue à Corregedoria, a defesa argumenta já existir uma investigação aberta no Conselho de Ética com base em uma representação do PSOL. "Um mesmo fato não pode gerar mais de um procedimento com a finalidade de instaurar procedimento para apuração de suposta quebra de decoro", diz trecho da manifestação.

O papel do corregedor, Eduardo da Fonte (PP-PE), é apresentar um parecer para que a Mesa Diretora decida pelo encaminhamento ou não de denúncia ao Conselho. O entendimento político é que um respaldo da Mesa daria mais força ao processo contra a parlamentar, o que a defesa quer evitar. Jaqueline Roriz pediu licença médica após a revelação do vídeo. A licença venceu no dia 21. Ontem, a Casa confirmou não ter aceitado novo pedido de afastamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.