Jornalista será indiciado por quebra de sigilo

Polícia Federal estuda enquadrar Amaury Ribeiro também por corrupção ativa, que pode levar à condenação por até 12 anos de prisão

Bruno Tavares e Fausto Macedo, O Estado de S.Paulo

21 Outubro 2010 | 00h00

A Polícia Federal vai indiciar o jornalista Amaury Ribeiro Júnior no inquérito sobre violação do sigilo fiscal de políticos tucanos e da empresária Verônica Serra e seu marido, Alexandre Bourgeois, filha e genro de José Serra (PSDB).

O delegado Hugo Uruguai, que dirige a investigação, pretende enquadrar Amaury com base no artigo 325 do Código de Processo Penal, parágrafo 1.º- incorre à mesma pena aplicada ao violador de sigilo funcional aquele que se utiliza do acesso restrito. A pena pode chegar a até seis anos de reclusão se "da ação ou omissão resulta dano a alguém".

A PF estuda ainda indiciar o alvo por corrupção ativa, artigo 333 - oferecer vantagem indevida a funcionário público. A sanção vai de 2 a 12 anos de prisão.

Ontem a PF preparou nova intimação ao jornalista para depor pela quarta vez. Nas três primeiras vezes ele foi ouvido em declarações - ficou à vontade para dar sua versão dos fatos.

As suspeitas da PF sobre a conduta de Amaury surgiram no início do inquérito, quando depôs o delegado aposentado Onézimo de Souza, que relatou ter participado de reunião em Brasília com integrantes da equipe de inteligência da pré-campanha de Dilma - entre eles Amaury.

Segundo o delegado, o jornalista disse: "Eu tenho dois tiros fatais contra o Serra." Onézimo contou que Amaury teria sugerido "métodos ilegais" para bisbilhotar adversários políticos.

A PF ia empurrar a conclusão do inquérito para depois do segundo turno das eleições. A estratégia era evitar divulgação de indícios contra alguém que fez parte do núcleo próximo da campanha petista. Mas o plano da PF fracassou porque o indiciamento de Dirceu Garcia vazou.

Amaury divulgou ontem à tarde nota sobre o episódio. Ele negou as suspeitas que pesam sobre seu trabalho. Não indica se agiu a mando de alguém. A íntegra da nota: "Com relação às notícias veiculadas na imprensa nesta quarta-feira (ontem), o jornalista Amaury Ribeiro Júnior esclarece que jamais pagaria pela obtenção de dados fiscais sigilosos de qualquer cidadão e nega veementemente as acusações a ele atribuídas. O jornalista está à disposição da Polícia Federal e da Justiça para prestar quaisquer esclarecimentos".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.