1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Jovem é espancado em confronto entre facções no Complexo da Maré

Fábio Grellet - O Estado de S. Paulo

06 Abril 2014 | 12h 19

Agressão foi a primeira registrada pela polícia desde o início a ocupação do conjunto favelas pelo Exército e Marinha

RIO - Cláudio Brum dos Reis, de 22 anos, foi ferido durante um confronto entre traficantes de facções rivais na divisa entre as favelas Nova Holanda e Baixa do Sapateiro, no complexo de comunidades da Maré, na zona norte do Rio, por volta das 8h30 deste domingo.

Foi o primeiro confronto que deixou alguém ferido desde a ocupação do conjunto de favelas por militares do Exército e da Marinha, ocorrida ontem de manhã. Cláudio mora na Nova Holanda e, segundo o Exército, saiu da cadeia há dois meses.

Alvo de uma operação de segurança que neste domingo, 6, completou uma semana e desde sábado, 5, envolve 1.700 agentes (2.500 militares e 200 policiais), o complexo de favelas da Maré, na zona norte do Rio, ainda abriga traficantes, reconheceu o comandante da Força de Pacificação, general de brigada Roberto Escoto.

"Alguns bandidos abandonaram a Maré, mas outros continuam aqui", disse o general. Segundo ele, os criminosos que permanecem na Maré estão sendo procurados tanto pelos militares que fazem policiamento ostensivo nas 15 favelas do complexo como por agentes do setor de inteligência, que têm tentado monitorar suspeitos.

A agressão a Cláudio não foi presenciada pelos militares, chamados por moradores que viram o rapaz caído em uma vala. Ele foi socorrido e levado ao hospital. Enquanto militares aguardavam a chegada do Samu para prestar socorro ao ferido, integrantes das facções rivais se reuniram e houve uma tentativa de confronto, segundo o Exército.

Para evitar a briga e dispersar as pessoas, os militares dispararam tiros para o alto e usaram gás de pimenta. Ninguém foi preso nem houve outros feridos além de Cláudio.

Rotina. Fora esse episódio, a presença dos agentes de segurança no primeiro dia de ocupação dos militares praticamente não alterou a rotina das favelas. Bares e igrejas funcionaram normalmente e a primeira partida da final do Campeonato Carioca, entre Flamengo e Vasco, foi acompanhada pela TV e festejada como outras decisões.

"Por enquanto não houve nenhuma mudança significativa. As únicas coisas que já mudaram foram a limpeza, que melhorou, e as ligações clandestinas de TV e eletricidade, que acabaram", contou o flamenguista Eduardo, morador da favela Nova Holanda.

Durante todo o dia, militares caminharam a pé pelas comunidades, acompanhados por um carro de som, distribuindo panfletos em que pedem aos moradores da área pacificada que "sigam as orientações" e "mantenham a calma". Com território de 10 km2 dividido entre duas facções criminosas (Comando Vermelho e Terceiro Comando Puro) e uma milícia, o conjunto de favelas da Maré reúne 130 mil moradores.

 

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo