Oswaldo Forte/O Liberal
Oswaldo Forte/O Liberal

Jungmann anuncia que Pará terá Centro de Inteligência de Segurança Pública

Decisão foi tomada com aval do Presidente Michel Temer após tentativa de fuga no complexo prisional de Santa Izabel, que resultou em 22 mortes

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

16 Abril 2018 | 12h42

BRASÍLIA - O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, anunciou que o Pará será o Estado sede do Centro Integrado de Inteligência de Segurança Pública da região Norte. A decisão foi tomada com aval do presidente Michel Temer e atendeu a um pedido das bancadas parlamentares da região, que demonstraram preocupação com o aumento da violência no Estado, após a tentativa de fuga do Complexo Prisional de Santa Izabel na região metropolitana de Belém, na última terça-feira, 10, que resultou em 22 mortes.

De acordo com o ministério, o assassinato de pelo menos 17 policiais militares de janeiro até agora; e 12 homicídios ocorridos na tarde de segunda-feira, 9, também contribuíram para a escolha do Estado para abrigar o Centro.

Cerca de 24 horas depois da tentativa de fuga no presídio de Santa Izabel, o Ministério da Segurança Pública informou que governo federal havia colocado a Polícia Federal e a Força Nacional à disposição do governo do Pará. Segundo a pasta, Jungmann conversou com o governador do Pará, Simão Jatene (PSDB), por telefone e fez a oferta de ajuda.

O presidente Michel Temer não se pronunciou publicamente sobre o episódio, apesar de ter adotado a segurança pública como uma de suas bandeiras desde a intervenção federal na segurança no Rio de Janeiro, em 16 de fevereiro.

Centro - De acordo com a pasta, o Centro Integrado de Inteligência de Segurança Pública da região Norte será o segundo de cinco centros regionais de inteligência que o governo pretende implementar. O do Ceará é o primeiro em fase de implantação.

Entre os objetivos dessa rede nacional se inserem a integração entre as agências para produção de conhecimentos estratégicos em segurança pública e o acesso integrado dos conteúdos das bases de dados das diversas instituições e órgãos que compõem a estrutura de segurança pública.

De acordo com Jungmann, o objetivo da pasta é que, com as ações promovidas nesses centros, seja desenvolvida a capacidade de integração entre as agências de inteligência para produzir conhecimentos estratégicos. Além de "viabilizar o acesso ao conteúdo das bases de dados das diversas instituições de segurança e manter o acompanhamento sistemático sobre os temas de interesse de segurança pública", destacou o ministro na nota. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.