Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Brasil

Brasil » Justiça decreta prisão de prefeito do AM acusado de pedofilia

Brasil

Brasil

coari

Justiça decreta prisão de prefeito do AM acusado de pedofilia

Segundo denúncias feitas ao Ministério Público, crianças entre 9 e 11 anos foram vítimas de Adail Pinheiro, em Coari

0

Glauria Sobreira,
Especial para O Estado

07 Fevereiro 2014 | 23h52

O prefeito de Coari, Adail Pinheiro (PRP), deve se entregar neste sábado, 8, à polícia. A prisão preventiva do político e de mais cinco pessoas envolvidas em casos de exploração sexual infantil, entre outros crimes, no município foi decretada nesta sexta-feira, 7, pelo desembargador do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM), Djalma Martins. Ele acatou o pedido do Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM), enviado no mesmo dia. O processo tramita em segredo de Justiça.

De acordo com as denúncias feitas ao MPE-AM, crianças entre 9 e 11 anos foram vítimas de Adail Pinheiro. O prefeito esteve preso em 2007 e 2009 e outros inquéritos policiais já investigaram o mesmo crime.

Procurado, o advogado de Pinheiro, Alberto Simonetti, afirmou que não tinha conhecimento de que a prisão havia sido decretada. "Não recebi nenhum documento oficial ainda. Só vou me pronunciar quando tiver o documento em minhas mãos", afirmou. Nos bastidores circulou a informação de que Simonetti ingressou nesta sexta com um pedido de garantia da integridade no TJ-AM para garantir que o prefeito não seja preso.

Petição. Segundo o procurador-geral do MPE-AM, Francisco Cruz, o pedido foi baseado nas informações do trabalho final da força-tarefa enviada ao município no ano passado, que, afirma, coletou dados suficientes para subsidiar a denúncia. "Tomamos essa decisão para garantir a ordem pública, evitar que novas vítimas sejam molestadas e outras testemunhas, ameaçadas. Além do prefeito de Coari, outras cinco pessoas, entre elas agentes públicos, foram denunciadas por meio dessa ação", disse.

CPI. Na quinta-feira, 6, 19 deputados estaduais assinaram o requerimento para a criação e instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), a chamada CPI da Pedofilia. Os propositores da CPI vão protocolar na terça-feira, 11, o pedido de investigação.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.