Justiça do RS determina transferência de atropelador de ciclistas para presídio

Com base em laudo psiquiátrico, juiz acredita que não há risco para Ricardo Neis ser levado para prisão

Marília Lopes, Central de Notícias

11 Março 2011 | 14h18

SÃO PAULO - O bancário Ricardo Neis, que atropelou vários ciclistas em Porto Alegre, em fevereiro, deve ser transferido imediatamente para o presídio central, de acordo com a decisão da juiz Rosane Ramos de Oliveira Michels, da 1º Vara do Júri da capital gaúcha.

 

Segundo a assessoria do Tribunal de Justiça (TJ) do Rio Grande do Sul, a decisão foi tomada após a juiz receber o laudo do Instituto Psiquiátrico Forense (IPF). A juíza destacou que, de acordo com a avaliação psiquiátrica, Neis mão teve doença diagnosticada, nem indicação para internação. De acordo com o TJ, o perito que avaliou o bancário não constatou quadro depressivo, com risco de suicídio, e a necessidade de atendimento médico especializado, em unidade psiquiátrica fechada, sob cuidado e vigilância contínuos.

 

Com base no laudo, em que o perito conclui que não há necessidade de internação e tratamento, a juíza decidiu que Neis deve ser transferido para um estabelecimento prisional e não tem necessidade de ficar internada em um hospital psiquiátrico.

 

No dia 25 de fevereiro, Neis atropelou mais de 12 ciclistas que participavam de uma manifestação no bairro Cidade Baixa. Em depoimento à polícia, o bancário disse que foi cercado por diversos ciclistas, se sentiu ameaçado e resolveu abrir caminho para sair do local por temer linchamento. Os ciclistas negam a tentativa de agressão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.