Justiça dos EUA unifica ação sobre acidente da Gol

Embraer, fabricantes do transponder e do software de controle de vôo também serão réus no processo

Patrícia Campos Mello, do Estadão,

02 Outubro 2007 | 12h48

A Justiça norte-americana determinou nesta terça-feira, 2, durante audiência sobre o acidente entre o Boeing da Gol que fazia o vôo 1907 e o jato Legacy, ocorrido há um ano, que as empresas Embraer, fabricante do jato; a Rayteon, responsável pelo software de controle aéreo; e a Lockheed Martin, que produz turbinas, serão inclusos como réus no processo que pede que a Justiça americana analise se é capaz para julgar o caso.   Justiça rejeita denúncia contra controladores de vôo Especial: um ano de crise aérea Tudo sobre o vôo 1907    Atualmente, já estão na condição de réus os pilotos do Legacy, Paul Paladino e Joseph Lepore; a ExcelAir, dona do jato; e a Honeywell, que produz o transponder, aparelho de localização que apresentou defeito no momento do acidente.   Em audiência às 10 horas desta terça-feira em Nova York, a Justiça norte-americana determinou ainda que todos os 120 processos de indenização a famílias de vítimas do acidente da Gol devem ser reunidos em um único caso. Anteriormente, havia vários escritórios de advocacia representando as famílias. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.