1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Justiça nega liberdade a pai do menino Bernardo

Elder Ogliari - O Estado de S. Paulo

28 Maio 2014 | 17h 28

Leandro Boldrini está preso desde o dia 14 de abril, acusado de ser responsável pela morte do filho de 11 anos

PORTO ALEGRE - O desembargador Nereu José Giacomolli, da 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, negou pedido de habeas corpus em favor do médico Leandro Boldrini, preso desde 14 de abril e denunciado pelo Ministério Público como um dos responsáveis pela morte do filho dele, Bernardo Uglione Boldrini.

A decisão, tomada na terça-feira, concorda com a do primeiro grau, refutando a tese da defesa de ausência de requisitos legais para a manutenção da prisão. A enfermeira Graciele Ugulini, mulher de Leandro e madrasta da vítima, assumiu ter provocado a morte, que qualificou de "acidental", por erro na dose de calmantes que deu ao garoto, e isentou o médico de culpa.

O Ministério Público acusou Leandro, Graciele e a assistente social Edelvânia Wirganovicz de planejamento e execução do crime e ocultação de cadáver. Bernardo foi levado por Graciele para uma viagem de Três Passos, onde vivia a família, a Frederico Westphalen, em 4 de abril. A madrasta voltou para casa sem o garoto. O corpo foi encontrado no dia 14 de abril. Os três foram presos no mesmo dia.

Um irmão de Edelvânia, Evandro Wirganovicz, está preso temporariamente desde 10 de maio, acusado de ter ajudado a ocultar o cadáver. A defesa dele pediu revogação da prisão, que foi negada na terça-feira pelo juiz Marcos Luiz Agostini, da comarca de Três Passos.

Além do processo que vai enfrentar na Justiça, a madrasta corre o risco de perder seu registro profissional. O Conselho Regional de Enfermagem (Coren-RS) abriu processo ético disciplinar contra Graciele.

Em nota, ressaltou que, assim como se observa nos processos legais, ela terá direito a ampla defesa. Se a conclusão for de que houve transgressão à correta conduta profissional, as advertências possíveis são multa, censura, suspensão do exercício profissional e cassação do direto ao exercício profissional, esta de competência exclusiva do Conselho Federal de Enfermagem.

  • Tags:

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo