Kassab já fala em ampliar Nova Luz

Para prefeito, Cracolândia é ?página virada? na vida da cidade

Humberto Maia Junior, O Estadao de S.Paulo

27 Outubro 2007 | 00h00

Embora as obras de revitalização mal tenham começado, o prefeito Gilberto Kassab afirmou ontem que irá ampliar o projeto da Nova Luz, no centro, se houver interesse de outras empresas. "Em algumas semanas vamos anunciar outro lotes de empresas. Se a área se esgotar, não tem sentido não repetir o projeto em outros locais." De acordo com Kassab, as empresas vão investir R$ 752,7 milhões e serão criados 26 mil empregos diretos. Para Kassab, a região já não merece ser chamada como antes. "A velha Cracolândia deteriorada e a serviço da droga e do crime já não existe. É uma página virada da história de São Paulo", afirmou. A arquiteta Regina Meyer, professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo e consultora da Associação Viva o Centro, acredita que a Nova Luz tem potencial para se tornar a primeira revitalização "responsável e eficiente" de uma área da cidade. "O projeto ainda é um nome, uma bandeira, mas, se de fato as idéias continuarem sendo adotadas, São Paulo só tem a ganhar", diz ela. "Com as empresas se instalando na região, a Prefeitura terá verba para implementar outros benefícios na Nova Luz. Urbanismo não é feito de uma hora para a outra, claro que só veremos resultados daqui a 12, 14, 15 anos. Mas é promissor", disse. Ontem foi demolido o primeiro imóvel dos seis incluídos no lote 1 do projeto - ao todo, são quatro lotes. A previsão é de que os seis imóveis sejam demolidos até fevereiro. Nessa área do lote 1, com 4.359 m², entre as Ruas General Couto de Magalhães, dos Protestantes e Mauá, serão instaladas uma unidade da Companhia de Processamento de Dados do Município (Prodam) e alguma subprefeitura, ainda não definida. "Talvez a Subprefeitura da Sé", disse o secretário de Coordenação as Subprefeituras, Andrea Matarazzo. REVITALIZAÇÃO Além de decretar de utilidade pública uma área de 269,3 mil m², a Prefeitura já desapropriou 53 imóveis. Outros cinco processos tramitam na Justiça. O local receberá não só sedes de empresas privadas e de órgãos municipais, mas também duas unidades da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU). Cada prédio terá 170 apartamentos de 50 m². O projeto da Nova Luz prevê ainda a recuperação das ruas da região para facilitar a circulação de pedestres. As Avenidas Duque da Caxias e Cásper Líbero, as Ruas Mauá, Santa Ifigênia, dos Protestantes e General Couto de Magalhães, o Largo do Osório e a Praça Alfredo Issa vão receber novo pavimento e nova iluminação. Serão instaladas 382 lixeiras e 37 bancos. CANDIDATURA A ação de ontem marcou o começo da Nova Luz e foi o ápice de um evento marcado pelo tom festivo, em que Kassab teve até sua candidatura às eleições municipais de 2008 citada por Matarazzo. No discurso, o secretário falava sobre os projetos para a área quando disse esperar que Kassab ainda esteja no comando da Prefeitura daqui a cinco anos, quando as iniciativas já apresentarem resultado prático. "E, se o senhor quiser, pode contar comigo", emendou. Como sempre faz, Kassab negou a intenção de se lançar candidato. Segundo ele, falar em eleições, só em 2008 - e por meio do PSDB e do DEM. Para Kassab, as declarações de Matarazzo foram apenas resultado de um "momento de muita felicidade". COLABOROU RODRIGO BRANCATELLI

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.