''Kassab não tinha direito de destruir o DEM''

Ônix Lorenzoni, DEPUTADO FEDERAL (DEM-RS)

Marcelo de Moraes, O Estado de S.Paulo

16 Março 2011 | 00h00

BRASÍLIA

Ex-líder da bancada do Democratas, o deputado federal Ônix Lorenzoni (RS) aumentou ontem o tom crítico contra o movimento dissidente aberto pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab. Depois de apelidar o PDB de "Partido da Boquinha", Ônix afirmou que não aceitará que permaneçam no DEM parlamentares que ajudem o prefeito a criar a nova legenda.

Por que o senhor adotou esse discurso duro contra os chamados "dissidentes" do DEM?

Minha preocupação é com a criação de uma figura inexistente no Parlamento. Não só no meu partido, mas em todos os outros, que é o deputado zumbi: um morto vivo. Quem não estiver na ata de criação, não é fundador. Então, o cara vai lá assinar e fica no DEM? No PSDB? No PT?

Esse deputado pode, então, ficar no DEM, mas não vai ter vida partidária?

Ele vai para a Sibéria. E todos os partidos vão congelar o sujeito.

O que explica o recuo dos integrantes do partido que anunciavam seguir Kassab no PDB?

Ele já iludiu o que chega. No DEM, estamos megavacinados contra Cavalo de Troia. Nosso maior foi ele (Kassab). Como ele não tem compromisso partidário ideológico, achou que todo mundo ia lhe acompanhar.

Por que o senhor critica a saída do prefeito Kassab?

Ele tinha e tem todo o direito de criar um novo partido. O que Kassab não tinha direito era de operar dentro do DEM para destruição do partido. O problema é esse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.