AE-23/5/2011
AE-23/5/2011

Laudo suspeito do Dnit teve aval de aliado de Valdemar

Atestado assinado por José Osmar Rocha, apadrinhado de dirigente do PR, facilitou contratação da Tech Mix em projeto de R$ 18,9 mi

Leandro Colon / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

19 Julho 2011 | 00h00

Os documentos do processo de contratação da empresa Tech Mix pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) por R$ 18,9 milhões, em 2010, revelam o envolvimento de assessores indicados pelo PR e o uso de um documento com indício de fraude, assinado por um apadrinhado do deputado Valdemar Costa Neto (SP), secretário-geral do partido. Todos continuam trabalhando no ministério.

Para facilitar a contratação, o dono da Tech Mix, Luiz Carlos Cunha, conseguiu uma atestado do próprio ministério dizendo que a empresa já havia prestado serviços aos Transportes, em 2007. O atestado tem data de 5 de março de 2008 e diz que a empresa, naquele ano, funcionava na quadra 214, da Asa Norte de Brasília. A Junta Comercial de Goiás mostra que nessa data a Tech Mix funcionava em Águas Lindas (GO). A empresa só foi para o endereço da 214 Norte em 2010.

O atestado foi assinado por José Osmar Monte Rocha, um apadrinhado de Valdemar Costa Neto. Rocha dirigia o chamado grupo executivo, órgão criado pelo ministério para cuidar do passivo do antigo Departamento Nacional de Estradas de Rodagem (DNER) que foi extinto no ano passado. Hoje, é assessor para assuntos administrativos na pasta.

Esse grupo executivo era um feudo de Valdemar Costa Neto, que comanda as nomeações do PR para os cargos nos Transportes e órgãos coligados, como o Dnit, a Valec e outros. Também integrava esse grupo Eduardo Lopes, outro aliado de Valdemar no reduto eleitoral do deputado, Mogi das Cruzes (SP), e hoje também assessor do ministério.

Ligação. A relação de Luiz Carlos Cunha, o dono da Tech Mix, com a pasta dos Transportes é antiga e sempre pela mão de apadrinhados do PR. Ele conhece Monte Rocha desde 2007, quando prestou serviços à pasta pela primeira vez. O apadrinhado de Valdemar tem o nome incluído num inquérito da Procuradoria da República no Distrito Federal ligado a empresas terceirizadas.

A procuradora Ana Carolina Resende Maia investiga o envolvimento dele e de outros funcionários num esquema de nepotismo na terceirização dos Transportes. Na mesma investigação aparece o nome do secretário executivo do Dnit, José Henrique Sadok, afastado do cargo na sexta-feira após o Estado revelar que uma empresa de sua mulher faturou R$ 18 milhões em contratos ligados a convênios do Dnit.

Além da declaração assinada pelo presidente do grupo executivo do ministério, a Tech Mix entregou ao Dnit um atestado de capacidade técnica da empresa Ciami Serviços Profissionais Ltda., assinado por Mieko Nakandakari. Ela é contadora da Tech Mix e foi funcionária terceirizada da empresa em 2007.

Reportagem publicada ontem pelo Estado revelou que os diretores do Dnit atuaram em conjunto no ano passado com os diretores da Valec Engenharia e Construções na contratação da Tech Mix e de uma outra empresa, a Alvorada Comercial e Serviços. A mulher do dono da primeira é a proprietária da segunda. A Alvorada assinou, desde dezembro de 2010, dois contratos com a Valec sem licitação no valor total de R$ 13 milhões.

A empresa é de fachada e nunca havia aberto as portas antes de assinar com a Valec. Pelo contrário. Era registrada no ramo de "embalagens" até o dia 25 de novembro de 2010, um dia antes de a Valec liberar o pagamento de R$ 5,8 milhões num contrato emergencial para fornecimento de mão de obra terceirizada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.