Lei Seca reduz número de postes danificados em Curitiba

Enquanto a média deste ano era de 51 postes danificados por mês, em julho apenas 34 foram atingidos

EVANDRO FADEL, Agência Estado

11 Agosto 2008 | 14h38

A lei que restringiu o uso de álcool por motoristas em todo o Brasil tem ajudado também no trabalho da Companhia Paranaense de Energia (Copel). O mês de julho, o primeiro completo depois da vigência da chamada lei seca, apresentou decréscimo de um terço no número de postes que sustentam a fiação das redes de energia elétrica atingidos por veículos em Curitiba. Enquanto a média deste ano era de 51 postes danificados por mês, em julho apenas 34 foram atingidos.   Veja também: Os efeitos do álcool e os limites da Lei Seca  Lei seca tem aprovação de 72% em São Paulo  Entenda os principais pontos da Lei Seca    "O maior rigor na repressão aos motoristas que dirigem sob efeito de bebidas alcoólicas ajuda a prevenir a perda ou o comprometimento de vidas, o que já é argumento mais que suficiente para justificar essas medidas", salientou o diretor de distribuição da Copel, Ronald Ravedutti. "Mas no que se refere ao sistema elétrico da Copel, a diminuição no número de postes abalroados quer dizer menos desligamento e, por conseqüência, menos gente obrigada a aguardar pela volta da energia por causa de um posto caído."   De acordo com a Copel, Curitiba concentra 20% dos quase 3,5 milhões de ligações elétricas atendidas pela empresa no Estado. Apesar de a Copel ter como norma buscar que os responsáveis pelos acidentes façam o ressarcimento dos prejuízos, o menor volume de estragos também traz vantagem à empresa. "É um custo operacional evitado", disse Ravedutti. Não há como se estabelecer os valores envolvidos em cada troca, pois depende do tipo de estrutura avariada e dos equipamentos e acessórios instalados.

Mais conteúdo sobre:
lei seca

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.