Reprodução/Facebook Bruno Borges
Reprodução/Facebook Bruno Borges

Livro do 'menino do Acre' entra na lista dos mais vendidos

Com 160 páginas, 'TAC: Teoria do Conhecimento' foi a 20ª publicação mais vendida na última semana de julho

Paulo Beraldo, O Estado de S.Paulo

04 Agosto 2017 | 20h12

SÃO PAULO - O primeiro livro do estudante Bruno Borges, desaparecido desde 27 de março no Acre, foi publicado em 21 de julho e na semana seguinte já era um dos mais vendidos do País. A publicação 'TAC: Teoria do Conhecimento foi a 20ª mais procurada do gênero de não-ficção entre 24 e 30 de julho, segundo o site especializado Publishnews. Foram vendidos 465 exemplares, diz o site.

O livro é o primeiro das 14 obras criptografadas que Bruno deixou em seu quarto no dia do desaparecimento, além de mensagens nas paredes e uma estátua do filósofo italiano Giordano Bruno (1548-1600).

O sumiço do jovem de 24 anos que morava em Rio Branco foi notícia em todo o País em março. Até hoje não se sabe o que ocorreu. Em buscas, a Polícia Civil encontrou móveis de Bruno na casa de amigos e também contratos estipulando porcentagens do dinheiro de venda dos livros para aqueles que ajudaram o jovem a desaparecer. 

A página “Bruno Borges, Estudante do Acre”, no Facebook, informa que os outros livros serão publicados em breve, na ordem que Bruno solicitou antes de desaparecer. Na rede social há também a informação de que “15 mil livros já foram reservados”.

A obra traz o conteúdo dos textos criptografos de Bruno e traz uma teoria sobre como criar e potencializar a absorção de conhecimentos (confira um trecho no final da matéria). 

Em entrevista ao Estado em maio, o delegado Alcino Júnior disse haver “fortes indícios" de um “afastamento voluntário”, o que teria "servido exatamente para que causasse essa publicidade diante da publicação dos livros".

Com tiragem de 20 mil exemplares, o livro foi lançado oficialmente em 21 de julho pela editora Arte e Vida e está disponível por R$ 24,50.

Mais conteúdo sobre:
Acre [estado]

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.