Andre Lessa/AE
Andre Lessa/AE

Lula reitera que Dilma vai ganhar amanhã

Pesquisas mostram isso, diz, 'convencido de que a maioria quer continuidade do governo'

Malu Delgado, O Estado de S.Paulo

02 Outubro 2010 | 00h00

Às vésperas do pleito, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva reiterou ontem que está otimista com a possibilidade de fazer sua sucessora e afirmou que a candidata do PT, Dilma Rousseff, tem "todas as condições de ganhar no domingo".

"Não tenho nenhum poder de dizer o que vai acontecer. Só acho que a candidata, a ministra Dilma Rousseff, tem todas as condições de ganhar as eleições no domingo. As pesquisas estão mostrando isso, mas, de qualquer forma, só nos cabe aguardar o povo e a eleição", disse Lula, em São Bernardo do Campo, após participar da inauguração de um centro de saúde no município.

Segundo o presidente, a eleição deverá refletir a aprovação do governo. "São 135 milhões de brasileiros que vão votar e estou convencido de que a maioria do povo quer a continuidade do governo. O governo tem uma aprovação de 80%, de ótimo e bom. O povo quer que a política continue."

Lula afirmou ainda ter certeza de que os eleitores levarão os documentos corretos (com fotografia) na hora de votar. "Eu vou levar um documento com duas fotografias, só para eles saberem que nós somos porreta mesmo", disse o presidente, na noite de quinta-feira, em comício ao lado do candidato do PT ao governo, Aloizio Mercadante, ao fazer menção ao julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) que derrubou a exigência de portabilidade do título eleitoral e um documento com foto na hora do voto.

Democracia. "O povo brasileiro já demonstrou várias vezes e vai continuar demonstrando que para nós a democracia é fundamental. O que vamos fazer domingo é uma demonstração para qualquer golpista do Equador não pensar em derrubar um presidente eleito democraticamente pelo voto", afirmou Lula.

Ao fazer a conexão entre a eleição brasileira e a tentativa de golpe no Equador na última quinta-feira, Lula disse que "é melhor as pessoas discutirem, divergirem e fazerem acordos, mas um presidente eleito precisa ser respeitado".

Ontem, durante a cerimônia oficial em São Bernardo para anunciar a transformação de Centros de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas (CAPS AD) em unidades de atendimento 24 horas, Lula não fez menção às eleições. O presidente participou da inauguração de um desses centros no município.

Conforme a Lei Eleitoral 9.504/97, em seu artigo 77, é vedada a participação de qualquer candidato em inaugurações de obras públicas nos três meses que precedem a eleição. Agentes públicos que não disputam a eleição, como é o presidente, podem participar de inaugurações, mas é proibida a propaganda política em atos oficiais. Lula já recebeu multas do Tribunal Superior Eleitoral por infringir a legislação eleitoral.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.