Mãe de menina jogada em rio é indiciada por homicídio

Vizinha que teria indicado o chá e o remédio abortivo à mãe foi indiciada como co-autora do crime

Eduardo Kattah, Estadão

11 Outubro 2007 | 12h34

O inquérito policial sobre a morte da recém-nascida jogada no ribeirão Arrudas, em Contagem, região metropolitana de Belo Horizonte, foi concluído nesta quinta-feira, 11, com o indiciamento da mãe do bebê, Elisabete Cordeiro dos Santos, 25 anos, por homicídio qualificado, praticado por motivo fútil e torpe e por asfixia.   A investigação da Polícia Civil concluiu que Elisabete teve a intenção de matar a filha quando a atirou nas águas poluídas do ribeirão. A pena prevista varia de 12 a 30 anos de prisão. Em depoimento, a mãe alegou que achou que a menina estava morta.   O delegado Anderson Pires Bahia, do 4º Distrito Policial de Contagem, indiciou também Iracema Pereira dos Santos, vizinha de Elisabete, por co-autoria no homicídio. Conforme o inquérito, Iracema indicou à gestante onde adquirir o chá "buchinha paulista" e o comprimido que foram usados por ela na madrugada do último dia 30. O relatório da investigação policial deve ser encaminhado nesta quinta à Justiça de Contagem.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.