Mais corpos de acidente em PE podem ser identificados nesta quinta

Corpo do copiloto é o único identificado até o momento

Ângela Lacerda, O Estado de S. Paulo

14 Julho 2011 | 11h58

RECIFE - Ao menos outros 10 corpos de vítimas do acidente aéreo no Recife poderão ser identificados pelo Instituto Médico Legal (IML) do município, segundo previsão da gestora do órgão, Joyse Breenzinckr. Um novo boletim com as possíveis identificações será divulgado na tarde de hoje.

 

Segundo o IML, foi constatado politraumatismo como a causa da morte do primeiro corpo a ser identificado, o do copiloto Roberto Gonçalves, até o momento o único a ser identificado.

 

O material de DNA coletado de familiares de todas as vítimas será enviado hoje à tarde para o laboratório de Polícia Científica de Salvador. A liberação de todos os corpos deve ser feita em no máximo dez dias, segundo Joyse.

 

Entretanto, há a possibilidade de ocorrer atrasos nas identificações, se o material recolhido não for suficiente ou se as amostras do DNA ficar degradada, com a necessidade de novas amostras.

 

Segundo a gestora, todos os corpos estão carbonizados, alguns totalmente e outros parcialmente e ao menos 10 corpos poderão ser identificados através de impressão digital.

 

Familiares. Familiares de vítimas ainda chegam ao hotel Atlante Plaza, na praia de Boa Viagem, perto do local do acidente, onde familiares das vítimas estão reunidos. No começo da tarde, a mãe e a tia de Breno Tavares Farias, gerente da Itambé, chegaram ao local.

 

Breno era mineiro e estava em Pernambuco havia dois meses. A tia Regina Tavares informou que estavam chegando de Belo Horizonte trazendo exames dentários de Breno para ajudar nos trabalhos de identificação.

 

Acidente. Dezesseis pessoas morreram na queda de um bimotor da Noar Linhas Aéreas no início da manhã de ontem, no bairro de Boa Viagem, zona sul do Recife. O voo 4896, que faria a rota Recife-Natal-Mossoró, caiu pouco mais de três minutos após decolar, às 6h51. Há indícios de que ocorreu uma falha técnica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.