Manifestantes pedem moradia em Curitiba

Um grupo com aproximadamente 50 integrantes da União Nacional por Moradia Popular (UNMP) fez uma passeata de aproximadamente uma hora, nesta segunda-feira, pelo centro de Curitiba, pedindo atenção das autoridades para a falta de moradia. De acordo com a entidade, pelo menos cinco mil imóveis de Curitiba, o que representaria 10% do total, estão ociosos e poderiam contribuir para diminuir o déficit habitacional. Em comemoração ao Dia Nacional do Habitat, os manifestantes, que disseram pagar aluguel ou morar em casa de parentes ou conhecidos, pregaram adesivos em alguns imóveis públicos e particulares desocupados que encontraram pelo caminho. Neles, a inscrição: "Interditado. Imóvel que não cumpre sua função social". Não houve nenhum confronto durante a passeata. Segundo a presidente da UNMP, Maria das Graças Silva de Souza, somente na entidade há 1,5 mil famílias inscritas aguardando uma casa. "São famílias que vivem abaixo da linha de pobreza e não têm condições de fazer inscrição na Cohab e ser atendidas", salientou. "Diante de tantos recursos que o governo federal tem hoje, a gente ainda não conseguiu deliberar e fazer um atendimento legal para essas famílias."

EVANDRO FADEL,

01 Outubro 2007 | 20h02

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.