''Manter a economia aquecida vai ser fundamental''

João Cahulla, candidato do PPS à reeleição

, O Estado de S.Paulo

29 Outubro 2010 | 00h00

Como fazer para aumentar a renda do Estado?

Para que a arrecadação do Estado crescesse, nos últimos anos, foi preciso investir no setor produtivo e na infraestrutura. Em 2003, o orçamento era de aproximadamente R$ 1 bilhão. Para 2010, é de quase R$ 5 bilhões. Não aumentamos impostos e não perseguimos empresários nem comerciantes. Equilibramos as finanças do Estado, dando prioridade aos investimentos e isso fez nossa economia crescer. Manter a economia aquecida vai ser fundamental.

Qual a estratégia principal para o seu governo?

Vamos dar continuidade ao que está dando certo e ampliar e melhorar os nossos programas. Com a economia equilibrada, vamos cuidar mais das pessoas, do social. Vamos criar a Universidade Estadual, dar continuidade à regionalização da saúde construir um novo hospital e pronto-socorro na capital.

Há alguma ideia para se ter uma economia sustentável?

Esse é o desafio: desenvolver sem agredir o meio ambiente. Na nossa gestão, o Estado cresceu e o desmatamento e as queimadas foram reduzidas ano após ano. Paralelo a isso, a produção agrícola cresceu 46%, a produção de carne se elevou em 200% e as exportações cresceram 300%. Isso foi possível porque investimos na mecanização agrícola, no apoio técnico, na distribuição de calcário para melhoria do solo e na recuperação de áreas degradadas.

O apoio aos candidatos presidenciáveis será importante em que sentido?

Não se governa sozinho. Rondônia tem demandas específicas e outras que são comuns aos demais Estados. Temos uma extensa fronteira com a Bolívia, uma rota de tráfico de armas e de drogas que precisa ser vigiada e compete à União fazer isso. Fechei apoio ao candidato José Serra por entender que os projetos que ele defende são de desenvolvimento e de crescimento. Serra também defende o fechamento de fronteiras e, principalmente, mudanças na área de saúde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.