Menina que foi morta pela amante do pai é enterrada no Rio

Lavínia, de 6 anos, foi sequestrada e enforcada em um hotel na cidade de Duque de Caxias; motivo seria um resgate de R$ 2 mil

Pedro Dantas, O Estado de S. Paulo

03 Março 2011 | 16h25

RIO - Foi enterrada hoje a menina Lavínia Azeredo de Oliveira, de 6 anos, que foi sequestrada dentro de casa pela amante de seu pai e morta em um hotel em Duque de Caxias. Cerca de 400 pessoas participaram do enterro. O pai da menina passou mal.

O enterro foi no Cemitério Corte 8, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Para evitar tumultos, a polícia reforçou policiamento na região com vinte homens. Os colegas de escola de Lavínia compareceram vestidos de preto.

Luciene Reis Santana, de 24 anos, foi indiciada pelo crime e teve a prisão temporária decretada pela Justiça. Se condenada, Luciene pode cumprir pena de até 30 anos de reclusão.

O corpo de Lavínia foi encontrado no fim da manhã, por uma funcionária de um hotel no centro de Duque de Caxias, sob a cama de um dos quartos. Ela estava desaparecida desde a madrugada de segunda-feira, 28, quando foi tirada de casa enquanto a família dormia. Peritos afirmaram que a criança foi asfixiada no mesmo dia, com um cadarço de sapato.

O motivo do crime seria uma quantia de R$ 2 mil em dinheiro, que era guardada na casa da família de Lavínia por Rony dos Santos de Oliveira, pai da menina e amante de Luciene. Segundo a polícia, a acusada raptou a criança, culpou o ex-marido e disse ao amante que a criança seria libertada com o pagamento do resgate. Luciene sabia que Rony guardava em casa R$ 2 mil, que seriam usados como entrada na compra de um carro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.