Ministro afirma que Plano de Direitos Humanos não muda

Depois de classificar a campanha política como "momento de fundamentalismo, regressivo, medieval do processo eleitoral brasileiro", o ministro-chefe da Secretaria Especial de Direitos Humanos, Paulo Vannuchi, afastou a possibilidade de mudanças no 3º Plano Nacional de Direitos Humanos para atrair o voto evangélico para Dilma Rousseff, como sugeriu o ex-governador Anthony Garotinho (PR). "O programa já teve alterações", disse Vannuchi. "Isso não trará prejuízo para a campanha."

Marcelo Auler, O Estado de S.Paulo

14 Outubro 2010 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.